Início » Comportamento Infantil » Criar um filho, e não um rei, é difícil mas compensa!

Criar um filho, e não um rei, é difícil mas compensa!

Criar um filho de maneira responsável com o presente dele, e comprometida com seu futuro, implica em não tratá-lo como um rei. Alguns pais sentem-se culpados por trabalharem bastante e, como forma de compensação, fazem todas as vontades da criança. No curto prazo, educar dessa forma torna-se fácil, porque não haverá desgaste algum, mas pode ser bastante nocivo para o futuro da cria. Como vai se comportar um adulto diante da vida, dos problemas e frustrações, se na infância ele jamais ouvia um “não”? Essa é a dúvida de uma de nossas leitoras, a Tânia, que sugeriu esta pauta.

Preciso lembrar que amo demais quando o conteúdo do blog é sugerido por quem acomapanha tudo por aqui, tornando esse espaço ainda mais vivo e rico! A dúvida de Tânia, que também é nossa, será respondida através da consultoria da Vivian Sanches, Psicóloga Clínica Infantil, de São Paulo – SP. A seguir Vivian esclarece de que maneira fazer todas as vontades de uma criança poderá impactar no bem estar mental desse futuro adulto… acompanhe!

MATERNIDADE-FILHOS-COMPORTAMENTO INFANTIL-EDUCACAO INFANTIL-CRIAR UM FILHO800

Imagem: greg westfall. via Foter.com / CC BY

Criar um filho não é uma tarefa fácil. Longe disso, criar um filho é mais que uma tarefa, é toda uma vivência que varia de uma realidade para outra, e deve se adaptar conforme os imprevistos e empecilhos que surgem no nosso dia a dia.

É comum o sentimento de culpa entre pais que dividem seu tempo entre trabalho e casa. Muitas vezes, para sanar atritos e/ou se redimir pela ausência, pais acabam buscando demonstrar seu afeto presenteando a criança com objetos de seu desejo, ou se tornando propensos a sempre atender às vontades dos filhos, por receio de não saber lidar com as consequências que um possível “não” poderá trazer. Apesar de parecer solucionar tudo naquele momento, tornar esses comportamentos um hábito pode transformar a relação entre pais e filhos ainda mais desgastante a longo prazo, e fazer com que a criança se desenvolva tendo uma noção de mundo, e vida, não compatível com a sua realidade.

Você pode prometer aquele brinquedo que sabe que seu filho tanto quer, mas não faça só para se redimir por algo que você simplesmente não tem culpa. Trabalhar não é algo que está sendo feito para punir a criança. Muitas vezes não temos o controle da demanda que nos é exigida. Crianças, por mais “adulta” que pareçam, têm uma noção limitada de mundo e tempo, que vai aumentando conforme elas crescem. Será realmente difícil entenderem a realidade da situação. Irá doer para os pais perceberem certas mudanças no comportamento de seus filhos, ou até ouvirem seus filhos dizendo o quanto eles fizeram falta (muitas vezes acompanhada de choro, raiva), mas saiba que essa dor pode ser remediada. Sempre sugiro aos pais que deem preferencia às atividades e presentes que estimulem a interação familiar. Todos sentarem para comer juntos e conversarem sobre seu dia/semana, cozinhar a refeição favorita da criança (dividindo as tarefas), uma ida ao parque, ver um filme, jogos de tabuleiro ou qualquer jogo que precise de duas pessoas ou mais etc. Cada família tem sua dinâmica e preferências, reflita e encontre o que funciona melhor para vocês. Sendo algo que todos possam participar, já é um começo. Já a regra para ganho de presentes tem que ser sempre clara: apenas em datas comemorativas (exemplo: aniversário, dia das crianças, natal).

Esperar, criar expectativa, se frustrar com a demora, são todas experiências necessárias para a criança. É importante que a criança tenha consciência que aquele brinquedo legal, a comida gostosa na janta, o passeio de fim de semana e o material novinho da escola, o boneco de super-herói ou da Elsa do Frozen, tudo isso só foi possível graças ao trabalho de seus pais. Trabalho esse que, assim como todas as outras coisas na vida, tem seu lado bom e ruim. E pais, lembrem-se sempre: o que importa não é a quantidade, e sim a qualidade dos momentos que vocês têm junto aos seus filhos. Isso sim, sempre valerá a pena ser priorizado como recompensa, pois se tornará, no futuro, uma memória especial para a criança.

O que não faz sentido e parece injusto para elas hoje, ficará mais claro conforme forem crescendo. A vida é cíclica: filhos vão crescer e se tornarão adultos que, como seus pais, terão obrigações que muitas vezes irão além de suas vontades. Quando esse momento chegar, eles terão a oportunidade de reconhecer e, possivelmente, entender os esforços e sacrifícios que foram feitos por seus pais no passado.”

 

VIVIAN SANCHES-PSICOLOGA INFANTIL-SAO PAULO-SP

 

A Psicóloga atende em São Paulo, capital, na Clínica Marre de Psicologia, na Rua Darwin, 527 – Jardim Santo Amaro – Próximo ao Shopping Boa Vista e estação Adolfo Pinheiro, linha Lilás do metrô. Para mais informações, o telefone de contato é (11) 995551561 – Operadora: Claro, ou e-mail: vivian.psico@outlook.com. Clique aqui e visite o site de Vivian, onde você terá acesso a mais informações sobre a profissional, ver fotos do espaço onde ela atende, saber valores, etc. Além do mais, a Psicóloga está no Facebook, compartilhando conteúdo interessante e importante para quem valoriza boa informação sobre comportamento e educação infantil. Clique aqui, curta e acompanhe!

ASSINE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *