Início » Comportamento Feminino » Veja como cuidar de sua autoestima, e tenha uma vida leve!

Veja como cuidar de sua autoestima, e tenha uma vida leve!

Cuidar de si mesmo, tanto do corpo quanto da mente, é fundamental para uma vida boa e feliz. A vida flui leve, a gente encara melhor os obstáculos, e a autoestima vai lá pra cima! Se, por outro lado, a sua anda baixinha, é preciso acender o sinal de alerta: algumas atitudes precisam ser corrigidas para reverter essa situação.

É importante saber que nem sempre nos sentimos satisfeitas, e tudo bem. Nossa consultora Angélica de Lima, Psicóloga, de Belo Horizonte – MG, alerta que é preciso estar atenta quando a situação de tristeza e autodepreciação se torna constante… aí, sim: é preciso buscar ajuda. Confira!

Wikipedia: "Redheadday is the name of a Dutch summer festival that takes place each first weekend of September in the city of Breda, in the Netherlands." Facts about redheads: "Red hair is seen on the heads of only less than one percent of people.in the world. Most redheads live in the U.K., Ireland, and former colonies of U.K. like Australia. The highest percentage of natural Redheads in the world is in Scotland (13%), followed closely by Ireland with 10%. In the US, about 2% of the population are natural redheads. Redheads are becoming rarer and could be extinct in 100 years, according to genetic scientists." This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License. You are free: to Share — to copy, distribute and transmit the work to Remix — to adapt the work But Under the following conditions: Attribution — You must attribute the work in the manner specified by the author or licensor (but not in any way that suggests that they endorse you or your use of the work). Noncommercial — You may not use this work for commercial purposes. Share Alike — If you alter, transform, or build upon this work, you may distribute the resulting work only under the same or similar license to this one.

Imagem: Qsimple, Memories For The Future Photography via Foter.com / CC BY-NC-SA

Vamos começar por entender o que é amor próprio, e qual sua relação com autoestima.

De acordo com o dicionário amor próprio é: “Quem ama a si mesmo”. Uma definição bem simples para uma ação que não parece ser simples assim. Esse tem sido o desafio de muitas pessoas que estão em busca de melhorar a autoestima, já que essa por sua vez está diretamente relacionada ao amor próprio, apesar de ter outra definição.

Entendemos autoestima como um sentimento construído ao longo da vida. É isso mesmo! A autoestima é um sentimento com o qual não nascemos, mas que podemos desenvolver durante a vida. Por se tratar de um sentimento produto de reforço positivo, o amor próprio se torna um dos precursores desse sentimento.

Quando temos amor próprio, temos confiança que podemos vencer os obstáculos, e acreditamos muito mais em nossa competência/capacidade, o que gera mudança na percepção da vida. Não quer dizer que as coisas começam a fluir, mas que eu mudo minha postura diante dos problemas. O que muda não é a vida, mas a forma que a encaramos.

Essa autoestima precisa ser trabalhada para que eu confie, crie autoconfiança. Porém terão dias que eu não estou tão disposta, pode-se dizer que existam dias cinzas. Mas isso não quer dizer que fracassei ou que não me amo o suficiente. Assim como Freud (pai da Psicanálise) dizia que um cachimbo pode significar apenas um cachimbo, o dia cinzento também pode significar apenas um “DIA”, e não determina toda uma “VIDA”.

Veja também:

Medidas práticas pra restaurar sua autoestima… já!

Vivemos em um momento sócio histórico em que o comportamento da sociedade é muito influenciado pelas redes sociais. Quando entro em minha rede social e percebo que todos estão aparentemente sempre felizes, a sensação que pode tomar conta é que eu não me encaixo nesse “mundo”, então nos colocamos na obrigação de estar sempre bem para compartilhar essa “felicidade” nas redes sociais. Posso afirmar categoricamente que não é preciso parecer sempre feliz, ou estar todos os dias felizes, os dias cinzentos também fazem parte de uma vida plena.

Tendo em vista os dias ruins, a baixa autoestima se caracteriza pela desesperança em mim e nas minhas potencialidades. Se eu não estou bem comigo mesmo, necessito fazer uma autoanálise daquilo que fiz de bom, daquilo que tenho de potencial. Às vezes a gente se decepciona com a gente mesmo, e em alguns momentos preciso aprender a perdoar a mim mesmo. É isso mesmo, auto perdão! Em algum momento sonhamos com uma vida perfeita, como diria uma grande amiga, a vida de “comercial de margarina”, e por circunstâncias não controláveis, não alcançamos essa vida. Precisamos compreender que fora desse sonho tem a vida real, e essa por sua vez tem coisas boas, muito boas e excelentes, que eu não aproveito, por focar apenas naquilo que não tive e ou não tenho.

Se esses dias ruins se tornarem muito frequentes, devo ficar atento se está na hora de buscar ajuda. A baixa autoestima pode me fazer perder oportunidades na vida, por não acreditar em minha capacidade. Quando me dou conta dessa dimensão, é o momento de buscar ajuda profissional com um psicólogo. Esse profissional vai avaliar se é necessário intervenção medicamentosa, que pode ser o caso, se identificado um diagnóstico de depressão, crise de ansiedade, entre outros quadros patológicos.

Como a autoestima é um sentimento construído, não existe fórmula mágica para elevá-la, porém o passo mais importante nesse sentindo é que a pessoa procure desenvolver uma maior intimidade consigo mesma, e com suas emoções. É necessário um autoconhecimento, procurando identificar o que te traz prazer e harmonia. Quando eu me conheço sou capaz de identificar atitudes e hábitos que devam ser corrigidos ou repetidos. Desenvolver a autoconfiança e ter para consigo atitudes de compreensão, respeito, encorajamento, paciência e acolhida é o primeiro passo.

 

ANGELICA DE LIMA-PSICOLOGA-BELO HORIZONTE-MINAS GERAIS-MG-BH

 

Angélica mantém sempre atualizada sua fanpage no Facebook, com conteúdo bastante interessante pra quem não perde o cuidado de si, especialmente com relação à mente. Clique aqui, curta e acompanhe! Lá é um canal por onde também é possível entrar em contato com a profissional.

 

ASSINE!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *