Início » Corpo » Você descobriu que tem um mioma… e agora?

Você descobriu que tem um mioma… e agora?

Não crie pânico! O mioma é muito mais comum do que você pode imaginar, não está associado necessariamente a infertilidade, não vira câncer e há vários tipos de tratamentos. Neste post você vai conferir várias respostas para uma série de dúvidas bastante comuns sobre esse problema, todas tiradas pela nossa consultora querida, a Dra. Lívia A. Vieira, Médica Ginecologista e Obstetra, de São José do Rio Preto-SP.

SAUDE-DOENCA FEMININA-MIOMA-MIOMA UTERINO-800

EladeManu via Foter.com / CC BY

Cerca de 20% das mulheres em idade reprodutiva, ou seja, entre 30 e 50 anos, são acometidas pelo mioma. Muitas acabam nem desconfiando que têm o problema porque, acredite, elas não sentem sintoma algum! Por isso, bonita, é extremamente importante os exames de rotina feitos junto a um profissional, já que sem sintomas, qualquer uma de nós acharia que não há problema algum a ser investigado, certo? O que não pode é negligenciar os cuidados com o próprio corpo e só procurar ajuda quando já estamos sentindo alguma coisa estranha. “Aquelas que apresentam algum sintoma têm sangramentos anormais, sensação de peso, desconforto em baixo ventre e cólica menstrual, se forem muito grandes ou múltiplos, podem desencadear sintomas urinários ou intestinais”, esclarece a Dra. Lívia. O fato é que, desde já, lancemos por terra qualquer temor em torno do diagnóstico de mioma: ele não vira câncer! Esse receio é o que mais acomete as mulheres, mas quanto a isso não há por que se apavorar.

O que é o mioma, afinal de contas?

O mioma nada mais é do que tumores benignos de células da musculatura do útero”, explica Dra. Lívia. Já sabemos que ele acomete pricipalmente as mulheres em idade fértil, com picos de incidência entre 30 e 50 anos. É importante que se diga que não há como prevenir ou evitar que eles apareçam, portanto vale o reforço: exames de rotina vão nos ajudar a identificar o problema o quanto antes, e tratá-lo mais rapidamente. Há diferentes tipos de mioma, sendo assim o diagnóstico precoce, e tratamento, vai prevenir uma possível dor de cabeça ainda maior. “Apenas mulheres com mioma localizado na parte interna do útero (submucoso) podem ter menores taxas de gestação e de implantação”, explica nossa consultora.

O grupo de mulheres que está mais suscetível a desenvolver o mioma é formado por mulheres que nunca engravidaram, obesas, raça negra e com história familiar de mioma. O mioma é benigno e tem tratamento, a depender do tipo dele. Dra. Lívia nos conta que “o tratamento vai desde uso de hormônios via oral, anti-inflamatórios, hormônios injetáveis, DIU de progesterona e cirurgia (retirando somente os miomas, retirando todo útero ou fazendo embolização do mioma)”, mas há ainda situações que em que o tratamento visa apenas controlar os sintomas, até que a mulher chegue a menopausa, porque alguns simplesmente param de crescer. Por fim, saiba que o mioma que foi retirado não volta, mas podem surgir alguns novos. E fica o alerta da Dra. Livia: “a avaliação de um ginecologista capacitado é o ideal para escolher o melhor tratamento para cada caso”. A gente sabe disso e concorda, não é?

GINECOLOGIA-OBSTETRICIA-DRA LIVIA VIEIRA-SAO JOSE RIO PRETO-SP

Mais consultorias da Dra. Lívia:

O que é HPV, sintomas e tratamento.

Hipertensão gestacional: entenda tudo de um jeito simples.

O que é endometriose? Saiba que há tratamento!

Você pode ver mais informações a respeito das especialidades de tratamento da médica clicando aqui, e acessando o seu site. Dra. Lívia também atualiza uma página no Facebook constantemente, toda ela repleta de informação útil para saúde da mulher antes, durante e após a gestação. Eu, que não sou boba nem nada, já curti. Vem também? Clica aqui, curta e informe-se!

ASSINE!

2 comentários sobre “Você descobriu que tem um mioma… e agora?”

  1. Regina comentou:

    Muito bom, poderia agora falar de Endometriose. Tão sério e ainda desconhecida por muitas mulheres. Tive uma de grau 4, operei e ela voltou. E o pior no tratamento; já que não sou mãe e não poderia mais; ter um acompanhamento psicológico, o que me fez ter uma depressão e largar o tratamento. Obrigada, espero poder ajudar outras mulheres.

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Oi, Regina!
      Sua sugestão está anotada, e achei bastante pertinente.
      Se for publicado um post sobre o assunto, aviso você, ok?
      Obrigada pela colaboração, e seja sempre muito bem vinda no Trololó de Mulher!
      Abraço!
      Lidi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *