Início » Comportamento » Ser feliz é uma questão de acontecência…

Ser feliz é uma questão de acontecência…

Essa frase da canção interpretada por Jorge Vercilo é tão significativa! Não adianta “forçar a barra” pra ser feliz, perseguir a tal da felicidade, e eu já estou convencida disso. A felicidade acontece quando a gente se joga na vida, aqui e agora, e permite que ela aconteça, sem planos, sem grandes expectativas. É assim a tal da acontecência que Jorge canta, como o encontro de duas pessoas que se complementam, que se amam intesamente e controem uma família juntos. Que coisa linda de se ver! O amor é um milagre! E quando ele acontece de um jeito improvável, como que num capricho do destino, é sempre muito emocionante…

Assim é a história de Ana Doro O´Such e seu amado Matt. A ana eu conheci há alguns anos, quando morava em Campinas. Entreguei currículo numa escola de Inglês, para dar aulas, e fiz o processo seletivo. Fui selecionada e passei pelo prazo de treinamento vendo suas aulas. Ela era a professora que eu iria substituir, e mais tarde fiquei sabendo a razão: Ana estava se preparando para viajar para os EUA, porque queria novos desafios para sua vida. Lembro que aquela moça me impressionou pela beleza e elegância de comportamento, mas também pela força e coragem. Ana estava disposta a se jogar no mundo, queria ver a vida por outro ângulo, isso em outro país, longe da família e amigos… definitivamente, sair assim da zona de conforto não é para qualquer uma. Como não admirar aquela moça?!

Eis que o milagre aconteceu! Esse post é um diário de bordo do coração de Ana, que nos conta como seu caminho cruzou com o de Matt, como a felicidade de uma vida a dois foi aos poucos se descortinando, e como lida com o desafio de construir uma família saudável e bem estruturada. O segredo, revela essa moça bonita de viver, é entender e aceitar as diferenças. E sabe que aí, desconfio, deve repousar o ponto chave para qualquer casal? Na verdade, não há fronteiras para o amor, não é? Ana e Matt parecem ter compreendido isso muito bem, e comprovam na prática que havendo um objetivo em comum, o de construir uma família sustentada pelo afeto, o resultado só pode ser essa conquista linda dos dois. Diferenças culturais, nesse projeto de vida, são o que menos importam. Confira comigo, e inspire-se!

Desiludida com a profissão escolhida a traçar no Brasil (Advocacia), e sem nenhuma raiz ou amor que me segurasse, decidi vir para os EUA atrás de estudo e novos ares. O plano era vir para aprimorar o Inglês que eu já falava e ensinava em escolas de idiomas, e ganhar uma bagagem de vivência que me qualificasse para o mercado de trabalho como professora de inglês. Dessa forma, me sentiria preparada para seguir a carreira que não havia escolhido seguir academicamente, mas pela qual me apaixonara a ponto de largar pra trás 5 longos anos de faculdade de direito.

Sem dúvida uma decisão que requer coragem, ou talvez medo. Medo de fazer algo que não gostava pro resto da vida. Com esse medo, criei a coragem de deixar a família e amigos queridos pra trás, em busca de um ano, inicialmente, de vivência e aprendizado. Porém, mais do que vivência, aprendizado, novos ares, aqui me encontrei e encontrei o amor. Aquele amor que todas procuramos nos nossos vinte e poucos anos.

Numa noite de verão de Nova Jersey, sai com uma amiga para curtir a vida. E ela, decidida a encontrar o príncipe encantado dela, acabou por me apresentar o meu, quando ela se aproximou do amigo dele, com quem ouvia a sua banda favorita no bar. Enquanto minha amiga “ficava” (não sei se ainda usa-se esse termo hoje em dia, com o sentido de “beijar sem compromisso”) com o amigo do meu então futuro marido, Matt e eu travamos uma conversa, e começamos a nos conhecer. Sentamos numa mesa do bar e batemos papo a noite inteira. Sem beijo, sem amor à primeira vista. Foi uma amizade à primeira vista, e foi uma impressão tão boa a de encontrar alguém interessado em te conhecer antes de mais nada, antes de qualquer beijo ou de qualquer outra intenção! No fim da noite, ele me perguntou se podia me acompanhar até o meu carro, e meio que apreensiva, eu disse que sim. Chegando ao carro abriu a porta a porta pra mim me deu o nosso primeiro beijo, e perguntou se poderia me ver de novo. Trocamos número de celular, e no dia seguinte ele me ligou para dizer que gostaria de me levar para um “date,” que nada mais era do que um jantar com intenções românticas.

Nosso primeriro date (jantar) foi mágico! Tivemos uma noite romântica e continuamos a nos conhecer. Ele se mostrava interessado em aprender coisas do meu país e da minha cultura, e da língua portuguesa, tudo para me impressionar. E não é que funcionou?! Após 3 ou 4 “dates”, Matt me pediu em namoro, e assim começava a nossa história oficialmente. Começamos a ficar mais e mais juntos, ele foi comigo ao Brasil visitar e conhecer a minha família. Antes de me pedir em casamento, fomos ao Brasil mais uma vez juntos, e lá, sem que eu soubesse, ele pediu permissão ao meu irmão mais velho para me propor casamento. Em Dezembro de 2009 ele me levou para jantar em um restaurante em Nova Iorque, cuja cheff tem um programa de TV que nós dois éramos fãs. E naquela noite, como reza a tradição aqui, ele me surpreendeu, e se ajoelhou e me deu um anel de noivado, e me pediu em casamento, assim como a gente vê em filmes Americanos mesmo. Foi demais!

COMPORTAMENTO-CASAMENTO-RELACIONAMENTO-FAMILIA[3]

Foto do dia em que ele propôs casamento, ao lado da chefe de tv (Lidia Bastianich) e dona do restaurante em NY chamado Felidia.

COMPORTAMENTO-CASAMENTO-RELACIONAMENTO-FAMILIA[2]

COMPORTAMENTO-CASAMENTO-RELACIONAMENTO-FAMILIA

Esse ano completamos seis anos de casados. Temos uma filha de 3 anos e meio e um filho de nove meses, e a familia que eu sempre quis ter. Diferenças e dificuldades existem, assim como em qualquer família, e em qualquer país. Diferenças culturais são as mais comums, e elas apareceram no decorrer de 3 anos de namoro, mas fomos nos entendendo e nos explicando, e tentando entender e aceitar essas diferencas. E assim, embarcamos nessa missão empreendedora de formar um família com raizes em duas culturas diferentes, mas de mesmo valores.”

Veja também:

Casar e morar na Finlândia: o amor colocado à prova!

O amor está online, com wi-fi e muito carinho!

Casamento: os conselhos mais inteligentes. Já leu?

ASSINE!

Um comentário sobre “Ser feliz é uma questão de acontecência…”

  1. EDENNILCI BUENO DA SILVA comentou:

    Que lindo caso de amor , bom que se concretizou o enlace e desse gerou lindos frutos, que Deus abençoe esta família!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *