Início » Maternidade » Pele do bebê: saiba como evitar problemas de saúde.

Pele do bebê: saiba como evitar problemas de saúde.

A pele do bebê é bastante delicada, e precisa de muitos cuidados. Caso contrário, a criança pode desenvolver problemas de saúde que afetarão o bem-estar do pequeno. Qual mãe não quer evitar esses transtornos? Justamente por isso, esse post foi preparado para munir você de informações claras e precisas, tudo de maneira simples e didática. Veja logo abaixo, sob consultoria da Dra. Tatiana Cortez, Médica Dermatologista de São Paulo, quais as medidas e cuidados necessários para manter sua cria sempre protegida, com pele bonita e saudável.

MATERNIDADE-SAUDE DO BEBE- PELE DO BEBE-DERMATOLOGIA

Fonte: Yuchao.L via Decorators Guru / CC BY-SA

Trololó de Mulher > Por que se diz que a pele do bebê e da criança é mais sensível que a de um adulto? Quando é que a pele infantil atinge a maturidade?

A pele do bebê e da criança é mais sensível que a pele de um adulto porque apresenta algumas características próprias, listo as mais relevantes abaixo:

– é mais fina e, portanto, mais susceptível a perda de água e ao ressecamento. Além disso, sendo menos espessa, está mais sujeita a ação de agentes irritantes e menos protegida dos agentes microbianos;

– a superfície corporal é maior em relação ao peso, o que significa que possui uma área maior de pele em relação ao peso quando comparado com um adulto. Essa característica aumenta a absorção de produtos aplicados na pele em relação ao peso e, consequentemente, aumenta a chance de toxicidade;

As características da pele do bebê vão mudando com o passar dos anos e, por volta dos 2-3 anos de idade, apresenta-se com as estruturas e o funcionamento mais parecido com a pele de um adulto. No entanto, o sistema imunológico, responsável pela defesa do organismo, continua se desenvolvendo até a criança completar aproximadamente nove anos.”

Trololó de Mulher > É obrigatório o uso específico de produtos destinados ao público infantil?

Sim, a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é o órgão do governo responsável por fiscalizar os cosméticos para uso infantil. Apresenta regras mais rígidas para aprovar a comercialização desses produtos, considerando que a pele do bebê e da criança possui características diferentes da pele do adulto. Apesar disso, algumas crianças ainda podem ter reações na pele devido a determinado tipo de produto, mesmo que ele seja destinado ao público infantil, por isso é importante, além de ter o cuidado de usar produtos específicos, estar sempre atento à pele do seu filho.”

Veja também:

Afinal, quais cosméticos o bebê pode, de fato, usar?

Trololó de Mulher > Qual a forma correta e saudável de expor as crianças ao sol?

Até o sexto mês de vida o bebê não deve ser exposto diretamente ao sol. A partir dos seis meses, poderá ser iniciada a exposição usando protetor solar específico para a idade, e no horário em que as radiações solares são menos intensas (antes das 10 horas e após as 16 horas). Atenção deve ser dada quando a criança começa a frequentar praia e piscina. É importante manter a criança sempre embaixo da sombra no horário de pico. Repassar o protetor a cada 2 horas e sempre após sair da água ou transpirar muito. Também é indicado o uso de chapéus e roupas, lembrando que existem roupas e acessórios com protetor solar no tecido que ajudam a manter a criança protegida.”

Trololó de Mulher > Quais as principais doenças de pele em bebês e crianças de até 3 anos, e como tratá-las?

Dermatite de fraldas ou “assadura”: o tratamento deve ser feito realizando a troca de fraldas sempre que a criança urinar ou evacuar, evitando assim que a pele da criança fique em contato com urina/fezes, deixando a criança sem fralda quando possível, evitando o uso de lenços umedecidos e usando água e sabonete para a limpeza da região íntima a cada troca de fralda. Aplicar cremes para prevenção de assaduras – evitando assim o contato direto com as substâncias irritativas das fezes/urina. Às vezes pode ser necessário o uso de pomadas com corticoides fracos para diminuir a irritação, mas o mais importante é a prevenção. A irritação dessa região predispõe a proliferação de fungos e bactérias, se for o caso deve ser associado tratamento com antifúngicos e antibióticos, respectivamente.

Veja também:

Bebê sem assaduras: é possível, sim, mamãe!

Dermatite seborreica de couro cabeludo e face: importante lembrar que é um quadro autolimitado, ou seja, vai passar. Deve ser tratada com remoção delicada da descamação com óleo infantil, seguido de lavagem da região com shampoo infantil. Em alguns casos, pode ser feito uso de corticóides de baixa potência para diminuir a inflamação.

Miliária ou “brotoeja”: o tratamento deve ser feito adotando-se medidas para impedir o aumento da temperatura corporal como: colocar roupas leves e de algodão, manter as crianças em local fresco e ventilado, aumentar a quantidade de banhos com água mais fria. Talco líquido ou pasta d’água podem ser usados para manter as áreas mais secas e, em alguns casos, pode ser necessário o uso de cremes de corticoide de baixa potência.”

Fonte e referências:

An Bras Dermatol. 2011;86(1):102-10.

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Sociedade Brasileira de Pediatria

 

TATIANA CORTEZ-MEDICA DERMATOLOGISTA-SAO PAULO

 

A Dra. Tatiana atualiza sua fanpage no Facebook constantemente com informação séria e relevante sobre os cuidados que devemos ter com a pele, o que nos permite cuidar melhor tanto de nós mesmas, como da família. Clique aqui, curta e fique bem informada a respeito. No site da dermatologista você verá todas as formas de contato com a profissional: telefone, e-mail, endereço na capital paulista, principais tratamentos, novidades e tudo o mais que você precisar saber para realizar sua consulta. Clique aqui, conheça o site e entre em contato!

ASSINE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *