Início » Comportamento » Jê Souza Pereira, aquela que leva uma vida tranquila…

Jê Souza Pereira, aquela que leva uma vida tranquila…

… não tem medo do mundo, nem da vida, e busca não se preocupar. Jê Souza Pereira está em paz, porque reconhece as dádivas que tem recebido, apesar de algumas tempestades pelas quais já passou. Essa é, inclusive, a razão de sua felicidade: ela é grata. Jê é uma mulher forte, determinada, guerreira. Ela é gente que inspira, e por isso eu quis trazê-la mais uma vez aqui, no Trololó de Mulher. Ela já esteve no blog falando sobre negócios, carreira e empreendedorismo, quando explicou tim tim por tim tim como transformar um hobby em trabalho e ganhar dinheiro com isso. Dessa vez eu queria desnudar um pouco mais seu lado pessoal, mostrar suas ideias sobre a vida… e eu queria compartilhar isso contigo, porque sei que você enxergará algo muito valioso nisso tudo. Pode apostar que sim!

Neste post você verá que a artesã, professora e empreendedora digital conta como lida com o fato de ter limitações físicas, começando por afirmar que sua condição a tira do lugar de pessoa “NORMAL”. Revela que, dentre tantos outros desafios que a vida lhe apresentou, encarar a gravidez de sua primeira filha que cresce em outro ventre, e não o dela, sem dúvidas foi um divisor de águas em sua vida. E ela segue firme e forte, tranquila, produtiva, bonita de viver e com o coração calmo… sempre grata a Deus. Confira!

Trololó de Mulher >>> Quando o assunto é seu trabalho, o que é imprescindível que você faça TODOS OS DIAS para que sua atividade renda frutos?

Ter ânimo para trabalhar todos os dias. Além de ânimo, me dar tempo. Muitas de nós, mulheres que trabalham em casa, não temos nosso trabalho como prioridade. Pra mim? A casa pode estar de cabeça para baixo… eu acordo, tomo meu banho, meu café da manhã, e começo a trabalhar. Logo depois dou um jeito na casa. Não seria de outra forma se por acaso eu trabalhasse fora de casa. Eu sou artesã, mas também me vejo como empresa.”

Trololó de Mulher >>> Você se comunica com suas arteiras de uma forma bastante simples, do tipo “gente da gente”. Por outro lado, mostra um jeito de viver caprichado no glamour, regado a belas produções pessoais, passeios e boa comida em restaurantes. O que você deseja que pensem sobre você?

Não sou de formalidades e tenho amor próprio, o que talvez seja confundido por poucas pessoas com vaidade. É o meu amor próprio que me incentiva a viver com intensidade. Eu vivo, sem que antes eu pense como fazê-lo. As redes sociais em minha vida têm um lado 99% positivo. Então, o fato de mostrar quem sou anula tudo o que tenho. Porque SER fala muito mais do que TER. Não posso inventar cenários nos quais não vivo diariamente. Em uma tarde posso mostrar meu balde, a minha vassoura e o meu pano de chão, enquanto isso estou escolhendo um belo restaurante para jantar à noite. Sempre estarei na dúvida se o restaurante será francês, marroquino, ou italiano… Essa é a minha vida. A minha realidade. Não uso minhas redes sociais como uma vitrine, apenas mostro como vivo.”

Trololó de Mulher >>> Quando começou a fazer sucesso, você passou a incomodar muita gente. Como você tem lidado com essas provocações?

As pessoas me falam de sucesso e algumas enxergam isso como uma mudança negativa. Eu estou em constante mudança, e com a certeza de que a essência do meu começo continua a mesma. Quero que esqueçam o sucesso e pensem em nossa arte. Na primeira provocação, quando me prometeram banho de ovos podres quando eu chegasse em São Paulo para uma grande feira no artesanato, eu ”quase” fui intimidada. Parei para pensar se valia à pena me arriscar tanto. Valia. E com medo eu fui, e voltei vitoriosa. Vira e mexe chegam mais 1/2 dúzia de provocações que já não me fazem pensar em nada, porque o carinho e a aceitação do meu público é muito maior.”

Trololó de Mulher >>> Em sua trajetória de vida, você considera que há algo que tenha sido um divisor de águas?

Em minha trajetória de vida tenho vários divisores de águas. Passei dos 35 anos e muitas águas já rolaram embaixo dessa ponte. Aos 23 anos de idade mudei para um país (Estados Unidos) no qual eu não dominava a língua, cuja cultura me parecia fria demais para tudo o que eu já conhecia. Me dei tempo para entender tudo isso, e passei a amar e admirar o que era desconhecido pra mim. Foi um divisor de águas. Já no exterior precisei fazer mais uma cirurgia ortopédica, a mesma que fiz milhares de vezes no Brasil, sendo que a daqui funcionou, e não me canso em dizer que realmente comecei a andar de verdade há 8 anos. Foi um divisor de águas. Conhecer o artesanato e encontrar nele forças para fugir de uma depressão. Foi um divisor de águas. Com uma empresa já montada, tomar a decisão de fechá-la e arriscar um recomeço, trabalhar de outra forma, e no início isso sendo de forma gratuita, sem ter certeza de que algum dia isso me traria um retorno financeiro. Foi um divisor de águas. Conhecer a mulher que está carregando a minha filha com amor em seu ventre, me fazendo acreditar que, sim, o ser humano tem um coração bom demais. Foi um divisor de águas … E eu sei que, pelo fato de estar simplesmente vivendo, muitos outros divisores de águas virão em minha vida. Eu me permito mudar e amadurecer em cada fase. Até as árvores que nascem e crescem no mesmo lugar se renovam a cada estação. Então, por que não usar isso como exemplo? Precisamos nos renovar sempre.”

Trololó de Mulher >>> Você mostra para suas arteiras que a costura é um caminho a ser trilhado, e que pode, sim, dar futuro. Você chegou lá?

Não, eu ainda não cheguei lá. E com certeza nunca chegarei. O meu propósito junto ao artesanato, vendo suas possibilidades infinitas, é o de avançar a cada dia trilhando um caminho. Eu fiz isso (e continuo fazendo) em etapas: eu comecei o artesanato como terapia, em seguida passei a vender meus produtos, agora estou ensinando a confeccionar. Em breve, eu poderei estar com o artesanato em um outro lugar… bem mais longe.”

Trololó de Mulher >>> Alguma coisa mudou para você depois que começou a ter mais visibilidade na internet?

Posso trocar a palavra “visibilidade” por “carinho”? Sim, mudou muito e muda constantemente. Essa é uma forma como as pessoas se expressam comigo e me tratam, e com isso me incentivam demais, me deixando a certeza que está valendo a pena. E esse número de carinho cresce a cada dia, e cada uma dessas artesãs consegue me impressionar, e com isso me fazem sorrir diariamente. A dimensão dessa visibilidade e carinho cresce junto às minhas responsabilidades também, e se eu não for cautelosa, posso me perder no caminho.”

JE SOUZA PEREIRA-DREAMS FACTORY

Jê, tranquila, sem medo do mundo, sem se preocupar…

Trololó de Mulher >>> Arteira, professora, youtuber, mãe a espera de um bebê, esposa… dá tempo de se cuidar?

Dá tempo, sim. Se eu não tiver tempo para ser “mulherzinha”, e com isso me amar, jamais terei tempo para as outras funções. A minha autoestima reflete em todos os outros pontos de minha vida. Por ser mulher, eu mesma já me cobro muito: se não consigo estar bem comigo mesma diante do espelho, com certeza eu não estarei bem com nada mais nessa vida.”

Trololó de Mulher >>> Ter as limitações físicas que você tem, para muitos, seria um motivo para desistir. Qual a explicação para tanta vitalidade, boa produtividade e amor próprio em dia?

Outro dia eu escrevi que “ser diferente NÃO é normal”. Isso é frase de propaganda de TV que talvez até cause revolta em quem realmente é diferente. Vivemos por etapas, certo? Quando criança o bullying era infinito, e muitos quase futuros amigos nem se aproximavam. Esses incômodos pioraram muito na adolescência. Afinal, quem seria o primeiro adolescente que arriscaria namorar a diferente da turma? A violência psicológica explodiu na fase adulta. Em cada uma dessas etapas quem é diferente não é invisível como a amiga, que para o mundo é uma pessoa normal. Todos os dias somos observados. E de certa forma somos cobrados. Seria muita hipocrisia de minha parte dizer que “já não noto o meu problema físico” ou “isso não me atrapalhou em nada”. Pelo amor de Deus! Isso é vida real. Acho que continuo matando 5 leões por dia, o normal seria matar apenas 1 leão, certo? Imagine: uma pessoa normal sai para comprar sapatos e talvez não goste da cor e modelo, ou não possa pagar por eles. Eu saio para comprar sapatos rezando a Deus para encontrar algo, qualquer que seja. Pensar em cores e modelo é luxo demais para quem é diferente. O meu desejo é que se encaixe no pé que eu não tenho! Então, ser diferente é realmente normal? Nada disso. Agora, estou iniciando uma nova etapa na minha vida: vou trabalhar o psicológico de minha filha para enfrentar com determinação o bullying que vai sofrer por mim. Ela vai ter a mãe diferente”. Mas, com ações, vou mostrar a ela que tudo é possível.”

Trololó de Mulher >>> Sua bebê está a caminho… a vida começa agora?

Não, a vida não começa agora. Agora se inicia uma nova fase em minha vida. Tudo desconhecido. Mas, estou entusiasmada para viver com vigor e forças tudo o que me espera pela frente. Escuto tanto sobre ser mãe… espero ansiosa para saber o que de fato são contos e verdades.”

Por tudo o que se viu nesse post, revelado pela Jê, e pelo que se vê em suas redes sociais, pra mim faz todo sentido associá-la a bela canção Tranquila, lindamente interpretada pela cantora e atriz Thalma de Freitas. Confira:

Via Marco Paschoal

Jê está espalhada pela internet e você pode vê-la nos lugares mais agitados. Confira o que essa moça vem desenvolvendo, aprenda muito mais com ela e comece a trilhar o seu caminho também, fazendo de suas habilidades manuais um meio para ganhar o seu sustento. Impossível não é… e pra começar: curta a fanpage Dreams Facotory no Facebook, acompanhe o blog da Jê e inscreva-se no canal da Jê no Youtube, re-ple-to de vídeos com PAPs, dicas e muito mais.

ASSINE!

5 comentários sobre “Jê Souza Pereira, aquela que leva uma vida tranquila…”

  1. Tatiane Almeida comentou:

    Adorei sua entrevista com a Jê, adoro ela demais e cada dia que passa tenho certeza de que essa mulher nordestina porreta , tem um enorme coração , que vive feliz , vive bem e segue sua vida dia a quem doer !!! Vive maravilhosamente bem !!!!

  2. Elisa Manteufel comentou:

    E não poderia ser diferente… amei! Jê vc é um grande exemplo de mulher, sempre forte, corajosa, motivada e sempre disposta a estender a mão para ajudar ao próximo. Bjos fica com Deus!

  3. Ana Claudia Papi Prado comentou:

    Admirável, está palavra define a Jê, sempre pronta a nos responder, com carinho e atenção.
    Ela me ajudou muito, principalmente me motivando a continuar, qdo estava a beira de desistir de tudo. Obrigada Jê e parabéns pela reportagem.

  4. lilian rodrigues comentou:

    Me emocionei com sua entrevista e novamente borrei o rímel com você. Parabéns por ser quem é. Parabéns por partilhar. Parabéns pela sua autenticidade. E obrigada por tudo isso. Sucesso e saúde sempre minha linda. Um grande beijo caloroso e carinhoso… Lilian Rodrigues

  5. Daniella lira comentou:

    Jê sua linda obrigada por ser quem és,
    Deus te conserve essa pessoa de coração lindo e generoso.
    Um bjo enorme.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *