Início » Empreendedorismo Feminino » Empreendedorismo: quais os 7 medos mais comuns?

Empreendedorismo: quais os 7 medos mais comuns?

Medos: quem não os tem? Empreendedorismo feminino envolve todos eles juntos, misturados e gigantes como nunca. Não é fácil lidar com eles, é verdade. Pior mesmo é quando tantas incertezas são capazes de nos paralisar! Calma! Você não é a primeira nem a única a sentir um frio na barriga quando pensa em realizar um voo sozinha na carreira. Tantos questionamentos são mais comuns do que você imagina, e justamente por isso esse post reúne os 7 mais corriqueiros e, tenho certeza, você deve se reconhecer em vários deles.

Sabe a melhor das notícias? Simone Mitjans, especialista em mentorizar mulheres a fim de que tenham mais sucesso em suas vidas, vai discutir cada um desses medos que podem estar travando sua capacidade de empreender, e mostrar meios possíveis para você tirá-los de seu caminho já! Aproveite cada orientação, dica e aconselhamento: eles dão sinais muito importantes de qual caminho você deve escolher para fazer seu sonho virar realidade. Confira!

EMPREENDEDORISMO FEMININO-MEDOS

Imagem: Ryan McGuire via Gratisography

1 – Do medo da mudança…

Trololó de Mulher >> Para minimizar o medo da mudança de vida quando se decide empreender, como fazer essa transição com riscos controlados?

A maneira como eu fiz isso foi conectando com a minha paixão a minha missão, e aí planejando o que eu gostaria de ver, e planejando a transição do meu emprego na época para o meu negócio. Ser realista é importante. Toda empreendedora tem que ter a habilidade de ser visionária, se colocar no futuro e ver as possibilidades, opções e começar a fazer essa transição para o próximo nível com riscos mais controlados. Por exemlo: Que tipo de negócio eu quero? O que eu preciso para esse negócio? Um computador novo, uma impressora, espaço, … Quanto custa, qual o valor total? Pronto, você já está começando o planejamento para fazer a transição! E aí você precisa decidir também se você vai pegar um empréstimo bancário ou investir as suas próprias reservas. Eu, particularmente, preferi inicialmente investir um imóvel no meu negócio. Mas conheço outros empreendedores que investiram suas reservas, outro que investiu o carro. Mas só invista se você realmente acredita. É importante também considerar estar preparada para atuar. Se não, há muito desperdício de tempo, energia e esforço. É importante nos prepararmos para o negócio. A minha experiência é de ter visto mulheres colocarem a cara – e isso é muito corajoso, mas pelo fato delas não terem experiência de como fazer o marketing, colocar preço, desenvolver seus negócios, elas acabam fazendo um investimento de risco. Quando as mulheres aprendem exatamente o que precisam fazer, elas colocam em prática e conseguem atingir resultados. Essa é a única maneria de controlar riscos.”

Veja também:

Empreendedorismo feminino: 3 mulheres contaram tudo!

2 – Do medo das dificuldades…

TMulher >> Reconhecer que há dificuldades para quem empreende, aceitá-las e trabalhar para revertê-las ajuda a diminuir a sensação de medo?

Claro, absolutamente! Eu tenho conhecimento que é comum aí no Brasil o medo acerca de empreender: Será que eu vou ter clientes o suficiente para bancar minha estrutura? Será que eu vou conseguir pagar os funcionários? Será que eu vou saber fazer tudo o que for necessário? Será??? Pra começar, se você está suspensa na zona da Dúvida, é importante ficar onde está por mais um tempo – porque não há como ter medo e confiança em um negócio ao mesmo tempo. É necessário ter um plano B para todas as dificuldades previstas. Empreendedorismo é mesmo uma aventura, muda constantemente. Você pode escolher ver como um desafio, ou algo empolgante, que te motiva e leva para frente! Quem tem sangue empreendedor, sempre escolhe a última opção. Você tem um plano de transição, uma paixão, você tem seu planejamento, um produto ou um serviço que as pessoas precisam. Pronto!

Veja também:

De hobby a trabalho: como ganhar dinheiro?

3 – Do medo de trabalhar muito, mas ganhar pouco…

TM >> Trabalhar muito e ganhar pouco: esse é um medo clássico. Qual a melhor estratégia para fugir dessa realidade?

Primeira coisa é implementar o que chamamos de OPEM: Organizar, Planejar, Executar e Monitorar. Implementar sistemas, delegar, usar mão de obra especializada, dessa forma você estrutura seu negócio para estar funcionando e rendendo vendas sem que você esteja trabalhando! A segunda coisa que temos que estar bem consciente é saber colocar preço e saber quem é o nosso público alvo. Seria um erro tentar vender um batom da Channel para uma consumidora que está acostumada a comprar batom na farmácia. Acredite ou não, a maioria das pessoas não compra primeiramente baseada no preço (elas compram baseadas em como o produto ou serviço fazem elas se sentir) – O melhor cliente é aquele que aprecia qualidade. E a terceira coisa é expandir o seu negócio, criando múltiplas fontes de renda. Por exemplo se você é uma escritora, você pode ter renda vindo de palestras, livros, programas ou infoprodutos.”

4 – Do medo da inadequação…

TM >> O medo de não corresponder as expectativas socias (conta bancária farta, status, poder, etc.) pode atrapalhar o desenvolvimento de quem sonha com o próprio negócio?

Pode, porque abrir um negócio pensando no status e poder não é o melhor objetivo para abrir um negócio. O foco deve ser fazer uma contribuição positiva na vida de quem a sua empresa está servindo. Esse deve ser o foco. Porque quando é assim, faremos tudo o que for necessário e muito mais para atingir os objetivos. Lembrem-se, todo negócio tem 3 estágios: verde, amarelo e maduro. O verde é de 1-3 anos, amarelo 3-6 anos e maduro, de 7 pra cima. Você não vai começar um negócio e esperar que ele esteja maduro imediatamente. Assim como você tem a paciência e cuidado para esperar uma árvore amadurecer para dar seus frutos.”

5 – Do medo de vender…

TM >> O medo de vender pode estar associado a uma má relação com o dinheiro?

Sim, absolutamente! Não somente com dinheiro, mas com sucesso. Isso é letal para o negócio. Você é uma empreendedora, está suprindo uma necessidade do seu consumidor,  você está agregando algo de valor a ele, com o que você tem a oferecer. Por exemplo: se você vende pneus, e eu preciso trocar os pneus do meu carro. Faz sentido você ter medo de me vender esses pneus? Se você conhece seu produto e sabe seu desempenho, você tem informações sobre a minha necessidade e usa seu conhecimento técnico para me oferecer o que melhor me atende, você vai estar me ajudando! Eu preciso do seu conhecimento e dos pneus! Esse medo de vender está geralmente associado a não ter clareza quanto ao produto e quanto ao público alvo. Tem a ver com a mentalidade de sacrifício e escassez, ou até mesmo medo do sucesso. E olha, eu vou contar uma coisa para vocês, é muito importante termos cuidado se criticamos alguém que tem dinheiro ou sucesso, ou que venda muito, pois nosso subconsciente cria estratégias de sabotagem, onde nunca possamos estar naquela posição, para não sermos julgados. Ou seja, você vai ter medo de vender!

6 – Do medo do trabalho excessivo…

TM >> O medo de trabalhar além da conta, numa rotina opressora, pode paralisar quem pensa em empreender. O dia a dia de quem toca o próprio negócio precisa ser assim?

Não. Quando você implementa sistemas, gerencia e delega, os sistemas trabalham por você. Em um negócio há 3 posições: funcionário, gerente e empreendedor: a gente não pode liderar um negócio com mentalidade de funcionário, nem abrir um negócio com mentalidade de gerente. O que é importante é se posicionar como empreendedor o mais rápido possível. Você não vai conseguir atender o telefone, fazer a contabilidade, negociar com fornecedor, desenvolver produto, visitar cliente, tudo sozinha. Isso não rola. É preciso organizar, planejar e delegar.”

Veja também:

Produtividade: 5 mulheres empreendedoras dão dicas top.

7 – Do medo da imperfeição…

TM >> Medo de não fazer perfeito. Perfeccionismo pode ser um obstáculo para quem quer ter um negócio próprio?

Absolutamente sim! Muitas empreendedoras travam com o perfeccionismo. Como uma cliente de nossa cliente: Ela tem uma loja virtual pronta para iniciar atividades, há seis meses, mas ainda não a considera perfeita para abrir. Empreendedorismo é algo muito dinâmico e maleável, as coisas mudam, se ajustam. É melhor feito que perfeito, não é assim que se diz? Desde que você esteja entregando o produto ou serviço que você promete, e tendo bons resultados, está tudo certo. Você pode sempre pedir sugestões para funcionários e clientes, de como pode ser feito melhor e aí decidir se implementa ou não.

Veja também:

Empreendedorismo feminino: o que é mais importante?

Já ouviu falar que corajosa é a mulher que tem medo, e admite que o tem? Sair da zona de conforto é assustador mesmo. Eu ando às voltas com esse sentimento azucrinando meu juízo, porque estou amadurecendo as ideias para concretizar um desejo antigo e, oh: penso e repenso se dou esse passo, e como darei (aguarde cenas dos próximos capítulos, viu?). E aí, quando visito essa vontade lá no fundo, eis que o danado do medo surge. Normal, acontece comigo, contigo, com qualquer uma de nós. O desejo de acertar, e a possibilidade real de errar, é que nos assusta. Não é assim? Mas a paixão por trabalhar com algo que tenha significado é o que nos impulsiona, e nos tira da inércia… ainda bem! Então, com medo mesmo, a gente tem mais é que se jogar.

Isso é sinal de bravura! E sobre isso, Simone diz que “empreender é uma jornada linda e corajosa de autoconhecimento e de responsabilidade por seu Sucesso e sua vida. O cenário ideal é que empreendedor e funcionário sejam um força conjunta para atender o cliente da melhor maneira possivel, para garantir o crescimento constante da empresa. Eu adoro este conceito de empreendedor: “Quando você é empreendedora, seu desejo de fazer uma contribuição positiva, agregando valor, é maior do que o medo. Empreendedoras não esperam as coisas acontecerem, elas fazem as coisas acontecerem, altamente motivadas. Têm boas ideias e sabem como implementá-las, de forma a alcançar seus objetivos. A empreendedora é alguém que não tem medo de iniciar projetos de forma arrojada. Alguém que empreende acredita em seu potencial, apresenta capacidade de liderança e consegue facilmente trabalhar em equipe. Além disso sabe que um fracasso é apenas uma oportunidade de aprender e ser melhor e não se deixa abalar“. 2016 vem aí, bonita! Será hora de se jogar, com medo e tudo?

EMPREENDEDORISMO FEMININO-SIMONE MITJANS[3]

Como uma mulher empreendedora, ou fortemente orientada a tornar-se uma, você sente que precisa alinhar algumas questões para seguir em frente com sua paixão? Uma mentora de sucesso pode mesmo ser um divisor de águas nessa sua trajetória, de maneira que você se sinta bem orientada e mantenha a sua motivação viva. Se você deseja uma companhia nesse sentido na sua jornada, assim como um atleta precisa de um treinador em quem possa confiar, pode contar com a Simone Mitjans como o suporte que você precisa. É para as mulheres de sucesso que a Simone direciona toda a sua energia e conhecimentos, e você pode entender como esse trabalho é realizado visitando o seu site. Além do mais, curta a fanpage da Simone no Facebook e fique por dentro de tudo o que pode facilitar para a energia do sucesso chegar até você. Se joga!

ASSINE!

Um comentário sobre “Empreendedorismo: quais os 7 medos mais comuns?”

  1. Raquel comentou:

    Oi Lidi! Muito legal o post. Vou lá conhecer o site da sua convidada e ler mais sobre o assunto!
    Beijinhos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *