Início » Comportamento Infantil » Quando a criança descobre a diversão de rabiscar na parede…

Quando a criança descobre a diversão de rabiscar na parede…

O que fazer? Eu, mãe de primeira viagem, fiquei me perguntando. Aposto que há um monte de mamães de bebês que se questionam como manter as paredes limpas. Isso é possível? Como fazer isso sem tolher a criatividade do pequeno?

 

Essas perguntas vieram a minha cabeça quando recebi um recadinho da minha amiga Flávia Valéria via Facebook. Ela viu uma imagem e logo lembrou de mim e de Artur. Olha só a imagem e repara só se essa bicha fêmea não tava a fim de me colocar medo… rsrsrs…

MAES-FILHOS

Imagem: Facebook

 

E ela ainda comenta assim, oh:

 

Não sei o porquê, mais isso me lembrou você e o pequeno Artur! kkkkkkkkkkkkkkk”

Isso é lá coisa que se faça?!

 

Bom, ao menos a cutucada dela rendeu esse post que, oh, está cheio de dicas e partilhas de experiências de outras mães que já vivenciaram a situação. Elas contam como fizeram para driblar a vontade das crianças de fazer rabiscos nas paredes e quais soluções adotaram para manter tudo limpo (ou quase). Quer ver só?

 

Aceitar essa veia artística, ou não?

 

Já passei dessa fase, meus filhos estão com 10 e 13. As paredes da minha sala eram todas rabiscadas quando eles eram menores, eu desisti de brigar e deixei que pintassem em qualquer lugar da sala. Tinha tanto desenho que antes de pintar fotografei tudo. Parece que quanto mais brigamos, mais eles rabiscam. Para que ofuscar a criatividade das crianças??” Rogéria Thompson

 

Aqui em casa sempre deixamos material de pintura disponível conforme a idade. No início, deixamos giz de cera, os mais grossos, para ele segurar melhor, depois os lápis e hoje, já com 7 anos, tem acesso a todo material de arte!” Tati | Tutitati Design Infantil

 

Nós “relaxamos” porque eu entendi que essa é uma fase que eles passam, daqui a pouco eles crescem e isso vai parar.” Elza Carrara | Casa, Cantinho e Coisinhas

MAES-FILHOS[2]

 

O diálogo… a melhor estratégia.

 

Sempre ensinamos que não pode escrever nas paredes, mas somente no papel. Ele sempre obedeceu.” Thais Godinho | Vida Organizada

 

Nosso pitoco nunca saiu riscando as paredes, mas acho que foi porque desde cedo apresentamos a ele um espaço adequado e o fato de desenharmos junto com ele. Ás vezes, a diversão se espalhava pelo chão e acontecia da cor extrapolar os limites do papel, então explicávamos que o chão não fazia parte da brincadeira… acho que é basicamente isso, sempre ir explicando com carinho, e dar possiblidades… ” Tati | Tutitati Design Infantil

 

O mais importante, porém, é você falar, mesmo que pense que ele não entenda, ele entende tudo, pode acreditar. Diga que aquele é o espaço do desenho dele. Lembre-se que como diriam nossas avós: é de pequenino que se torce o pepino. Conversa sempre resolve tudo, se ele der uma escorregada, nada de gritos, apenas palavras doces e firmes dizendo onde é o lugar certo.” Deborah Virginia Ferreira

 

A principal dica é oferecer oportunidade para a criança poder extravasar a criatividade e energia que tem. Tudo pode ser conversado e negociado sem que haja prejuízos para a família e para o desenvolvimento da criança.” Débora Daltro

MAES-FILHOS[4]

 

 

Qual a solução prática, afinal?

 

Ter lousinha num canto onde a criança possa rabiscar, acho importante para tirar o foco das paredes.” Fernanda Mariano

 

Facilita muito sempre ter papéis disponíveis e ficar de olho quando ele estiver desenhando. Chegamos a pintar uma parede da sala de preto para ele desenhar com giz de vez em quando, mas isso nós controlamos bem mais para não ficar feio.” Thais Godinho | Vida Organizada

 

Sempre fiz questão de dar a eles cartolinas e muito papel, pra incentivá-los a deixar as paredes de lado. E deu certo!” Dani Moreno | Moça de Família

 

Ter sempre papeis de várias texturas e cores disponível para ele exercitar o lado artístico! acho que outra coisa que ajudou foi que sempre colávamos os desenhos dele na parede, como quadros… algumas vezes também forramos a parede do corredor com papel Kraft e fizemos vários desenhos mas sempre explicando que era só no papel! Talvez isso tenha contribuído para deixar nossas paredes livres dos ataques criativos.” Tati | Tutitati Design Infantil

 

Que tal combinar com ele e escolherem uma parede na qual ela possa rabiscar?” Virginia Celvia

 

No quarto do meu filho não tem muito espaço sobrando, então eu matei dois coelhos com uma cajadada só e revesti o guarda roupas dele, que era velhinho, com contact branco mesmo e falei pra ele que ali ele tava liberado pra fazer o que quisesse! Hoje o armário tá cheio de pintura com guache, rabisco de giz de cera e uma penca de figurinhas coladas! Não é visualmente bonito, mas eu adoro porque afinal de contas é o toque dele no quarto dele! E quando ele crescer mais um pouquinho e não quiser mais nada disso, basta retirar o contact, sem maiores dores de cabeça!!” Veronica Motta

 

Um big caderno de desenho, vai fazer sucesso.” Gláucia | Repleto de Vida

 

Aqui em casa sempre estimulei a criatividade, a criação, o uso de cores. Livros de colorir são presentes constantes. Investi no giz para o banho, ele pinta o azulejo do banheiro e depois os desenhos são apagados com água, sem sustos.” Vanessa Ardisson

 

Fiz pranchetas personalizadas para cada um deles (gêmeos)” Caroline Willrich Flesch | Arquitetando – Projetos e Objetos

 

E quando há desobediência?

Vez ou outra, “sem querer”, tinha um rabisco ou outro nas paredes… mas, aprenderam a não riscar mais, exatamente no momento em que aprenderam a limpar!! 😉 #ficaadica” Dani Moreno | Moça de Família

 

 

Dicas cheias de amor… amor de mãe!

 

Claro que criança adora testar possibilidades e existe umas bem simples e deliciosas de fazer. Existe canetinhas próprias para riscar azulejos que saem facinho com água e também lápis aquarela, quando molhada a pontinha pode pintar a pele… é uma gostosura de brincadeira, pintá lo e depois deixar ele pintar você. Vai além da arte… é puro carinho!” Tati | Tutitati Design Infantil

MAES-FILHOS[3]

 

Ás vezes… não tem jeito…

 

A verdade é que coloco terror mesmo, não risca ou vai ficar de castigo! Mas não tem muito jeito, não. A Victória sempre risca e quando pergunto o porquê, ela diz: ACABOU O PAPEL! KKKKKKKKK” Daiane Cascini | Casa da Dani

 

Imagens: stock.xchng

 

Muito mais sobre Trololó Materno para você… clica aqui.

 

 

Redes Sociais

 

 

Vamos manter contato?

E-mail: bichafemea@trololodemulher.com.br

10 comentários sobre “Quando a criança descobre a diversão de rabiscar na parede…”

  1. Ellen Caliseo comentou:

    Hoje em dia tem muitas coisinhas que nos facilitam ..tinta lousa, contact, canetas que diluem na água. disponibilizar uma parede para tais artes. Mas se nada disso der resultados, impor limites e mostrar que ‘não é legal’, fazê-los limpar a bagunça, também é amor. Aqui tudo se resolve com uma boa conversinha.

    Bjs!

  2. Bia Neves comentou:

    Não grilei com isso, afinal são três docinhos que tenho em casa. A primeira controlei na boa, o segundo aprendeu a não riscar depois de limpar, a terceira é louca por riscar paredes e nem limpando depois nem com com exemplo dos irmãos, nada. Mais a fase está passando.

    Bj

  3. Telma Maciel comentou:

    Eu sempre tive vontade de ter uma parede pintada pela Sofia em casa, mas eu não morava na minha própria casa, né? Era a casa da minha mãe e hj é um apê alugado. Então, no dia em que, na casa da minha mãe, Sofia pintou uma parede inteirinha de BATOM VERMELHO, pegamos uma bucha e uma vasilha com água e sabão e um pano. Ensinamos a ela a limpar. Além disso demos papéis em tamanho A3 e giz de cera. Pronto. Nunca mais tivemos o problema. rs
    Bjks e boa sorte!! rsss

  4. Pingback: Linkagem de domingo {63} | Vida Organizada
  5. Trackback: Linkagem de domingo {63} | Vida Organizada
  6. Lívia comentou:

    Sou filha de pedagoga e como toda “revolucionária”, minha mãe nunca reclamou de pintarmos as paredes. E sempre que uma visita nova chegava a primeira coisa que ela falava era “tem criança em casa, olha as artes que elas fazem” e apontava para as paredes. Era até engraçado, lembro que as pinturas contornavam o sofá e quando minha mãe o arrastava pra limpar víamos seu formato corretamente, rsrs…
    Enfim, passada a minha fase de desenhar na parede e da minha irmã, minha mãe reformou e pintou a sala, simples assim. Sem traumas, recusas ou brigas.
    E nenhuma de nós depois se interessou por pichar lugares e monumentos.
    E qnd tiver um filho,deixarei pois foi muito positivo na minha vida..

    bjao

  7. Tatiana R. Lucas de Oliveira comentou:

    Adorei saber as dicas de outras mães! Gostei muito de participar um pouquinho. Depois nos conta tudo como será com o Artur!! beijos, beijos

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Ok, Tati… rsrsrsrs…
      Beijos,
      Lidi

  8. Glaucia Brito comentou:

    Adorei participar Lidi, mas na realidade não tem fórmula mágica, e essa pluralidade de famílias, filhos e experiências é que torna tudo único e legal . Bjos

  9. luma rosa comentou:

    Oi, Lidi!
    Meu filho sempre teve muitos material acessível para desenhar e soube desde cedo que era errado rabiscar as paredes.
    Mas uma vez aconteceu dele estar com uma amiguinha e quando cheguei no quarto estava todo rabiscado com giz de cera. Na parede tinha um papel de parede que facilitava a limpeza, mas para os dois sentirem na pele o erro, deu um balde, esponja e panos para eles limparem. Não ficou perfeito – depois refiz o trabalho – mas eles precisam aprender o trabalho que dá limpar. Esse também é o corretivo para os pixadores, não é mesmo?
    Beijus,

  10. Pingback: …da delícia que é o Ragu Apressadinho…
  11. Trackback: …da delícia que é o Ragu Apressadinho…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *