Início » Comportamento » Você é daquelas que acreditam nunca acertar em suas relações amorosas?

Você é daquelas que acreditam nunca acertar em suas relações amorosas?

Deve haver alguma razão para essa desconfiança sua, certo? Será que você sente que atrai pessoas erradas para sua vida, com perfil egoísta ou qualquer outra característica que te deixa infeliz? Se é isso mesmo, será que você não contribui em nada para tanto?

Como você, muitas outras mulheres sentem que não estão sendo valorizadas e admiradas pelo seu amor… e isso dói. Como não? Se você quer ajuda para compreender o que possa estar acontecendo e o que te leva a se envolver em relacionamentos que te deixam infeliz, por aqui contamos com a ajuda de uma especialista para várias respostas.

Este post foi elaborado sob a consultoria da Psicanalista Geisa Machado, com o objetivo de ajudá-la a identificar sob quais condições a vida te leva a atrair relacionamentos amorosos ruins. Com um entendimento claro do que acontece com você, quem sabe não surge daí um novo aprendizado? Quer melhorar suas escolhas amorosas daqui pra frente? Fique atenta ao que está por vir…

Com a palavra, a especialista:

 

“Relação amorosa” é um tema muito complexo e difícil de ser abordado, porque ele envolve conceitos como felicidade, amor, relacionamento, que são conceitos muito subjetivos, não tendo como explicá-los, e muito menos defini-los. Só existe um meio de abordá-lo:

– Nós só nos conhecemos através de outra(s) pessoa(s) e conhecer-se é descobrir facetas em nós que nem sempre são agradáveis. Aquilo que me incomoda muito no outro é algo que eu tenho e não consigo enxergar em mim, consequentemente isso atrapalha a minha vida e eu não percebo.

Ao contrário do que as pessoas pensam, casais que vivem em eterna harmonia é sinal que uma patologia pode estar instalada nas duas pessoas em questão, portanto, as discussões são sempre bem vindas porque é através delas que os indivíduos amadurecem. É evidente que se estas discussões se transformam em brigas intensas e constantes aí também existe um problema.

 

Trololó de Mulher [1] – Em uma relação amorosa, o que seria uma pessoa errada para qualquer mulher?

 

Em minha opinião, não existe “a pessoa errada”. Nós sempre atraímos a pessoa certa para aprendermos algo, ou por uma necessidade daquele momento. Um exemplo: uma prima minha estava com seu primogênito prestes a casar e ele era o seu amparo. Pouco tempo antes do casamento ela conhece alguém e se apaixona. Alguns meses depois que o filho se casou ela se decepcionou com o namorado e terminou o namoro. Então, independente de qualquer decepção que ela possa ter tido com ele, aquele rapaz foi a “pessoa certa” para ajudá-la a passar aquele momento difícil de se separar do filho.

 

Ao invés de buscarmos “a pessoa certa”, precisamos aprender a conviver com alguém numa “relação duradoura”.

 

TM [2] – Se a leitora que está lendo essa entrevista agora conclui que ela tem esse tipo de pessoa em sua vida, o que é importante ela pensar no sentido de mudar a situação?

 

Complementando a resposta dada na pergunta anterior e respondendo esta questão, a mulher precisa ver qual é a parcela de responsabilidade presente nela que contribui para a relação ser conturbada. No caso de não conseguir se fixar com ninguém, precisa ver qual o padrão existente nela que a impede de ter uma relação duradoura. No caso da minha prima, ela precisaria trabalhar a dependência dela com o filho para não ter que se envolver numa relação que, era previsível, viria uma decepção logo em seguida.”

 

TM [3] – Por que há mulheres que, por mais relacionamentos amorosos que tenham, sempre escolhem pessoas centralizadoras, egoístas, etc. ?

 

Elas não escolhem, elas se sentem atraídas por este tipo de pessoa. No geral essas mulheres são dependentes (emocionalmente e/ou financeiramente), inseguras, vulneráveis, fragilizadas, sem amor próprio, não conseguem ter opinião própria, estão sempre precisando que alguém decida por elas, ou seja, elas não têm autonomia para viver a própria vida. Não podemos esquecer que esta foi a condição das mulheres por milhares de anos e, por mais que agora estejamos conquistando o nosso espaço no mundo, este padrão de comportamento fica registrado nas raízes do nosso inconsciente coletivo existindo ainda resquício dele. Leva muito tempo para limpar este registro. Portanto, a pergunta que a mulher precisa SE fazer é:“Por que eu sempre me sinto atraída por homens que têm este perfil?”

 

TM [4] – Como lidar com a pessoa amada que, é fato, age com falta de respeito?

 

A pergunta, de novo, é voltada para si: “Por que eu permito que esta pessoa me falte com respeito?”. Antes de tudo a gente tem que se fazer respeitar. A reflexão precisa ser feita em torno da dificuldade que esta mulher tem em impor respeito. Ela ainda tem aquele padrão de comportamento (que eu citei na questão anterior) onde o homem manda e ela obedece? Onde o homem é o senhor absoluto? Este padrão é, na maioria das vezes, inconsciente e a mulher fica refém dele sem perceber. É necessário tomar consciência disso, para então mudar este padrão.”

 

Imagem: stock.xchng

 

TM [5] – Por que há mulheres que não se permitem serem felizes em uma relação amorosa?

 

A pessoa é feliz por se sentir feliz, em qualquer área da vida. Muitas mulheres impõem condição para isto: “Eu só me sinto feliz se estou ao lado de um homem”. Neste caso não importa que tipo de homem seja este. O nosso cérebro reproduz fielmente a crença que é colocada nele.“Ao lado de um homem”, o cérebro interpreta como “ao lado de qualquer pessoa do sexo masculino” não importando o caráter e/ou a personalidade.

Se abordarmos o aspecto do inconsciente coletivo (que eu citei na questão 3), antigamente, e esta época nem é tão remota, a mulher não tinha direito a nada numa relação amorosa, muito menos a ser feliz. Ela só se sentia segura ao lado de um homem. Algumas mulheres podem estar respondendo a este padrão, portanto não tendo ainda permissão para ser feliz.”

 

TM [6] – Sempre que a mulher perceber que está sabotando a própria felicidade, o que ela precisa fazer?

 

Refletir a respeito da própria felicidade. Não existe o“sabotar”. Como eu expliquei nas questões acima, o que existe é o padrão de comportamento que está regendo a vida amorosa desta mulher.”

 

TM [7] – Os exemplos infelizes de escolhas das mulheres da família podem influenciar na escolha futura da menina quando ela torna-se mulher e chega sua vez de escolher?

 

Mais do que influenciar, elas determinam estas escolhas. Aí também existe um padrão por trás. Famílias onde as mulheres são dominadoras, elas sempre se casam com homens submissos. E vice versa: famílias onde as mulheres são submissas, elas sempre se casam com homens dominadores. É claro que estou falando no geral porque cada caso precisa ser analisado individualmente.”

 

TM [8] – O que fazer para conseguir estabelecer relações saudáveis?

 

“As pessoas vivem buscando fórmulas para serem felizes nas suas relações amorosas. Essas fórmulas NÃO EXISTEM. Elas só são boas para aqueles que as criam e ganham dinheiro com isso. A primeira pergunta a se fazer é: “O que é uma relação saudável para mim?”. Diminuir as expectativas diante de um relacionamento é primordial, porque ao estabelecer expectativas sempre temos a tendência a fazer grandes idealizações difíceis de serem alcançadas. Talvez a pessoa já tenha uma relação saudável e ainda não percebeu. Como eu disse no tópico deste tema, casais em eterna harmonia não são saudáveis. Desde os primórdios da civilização o ser humano busca aprender a se relacionar (seja no campo amoroso, familiar e/ou social), e a única saída é ele aprender a relacionar-se consigo mesmo, através do auto conhecimento. Precisa descobrir a que padrões ele responde, como ele se comporta no relacionamento, que tipo de pessoas ele atrai… Se a mulher sempre vive (ou está vivendo) uma relação conturbada cheia de brigas e agressões (físicas, morais e/ou psicológicas), ela precisa analisar o que há nela que atrai um homem que a deixa infeliz. Caso não consiga identificar, então é necessário buscar uma ajuda profissional. Só um (a) terapeuta tem a imparcialidade e o distanciamento emocional suficientes para interpretar corretamente o que está acontecendo, ajudando-a a estabelecer relações mais saudáveis.”

 

 

Geisa também é blogueira, sabia? Pois é… seus textos podem ser acompanhados através de seu blog A Força e a Beleza de ser Mulher. Sua proposta é analisar os reflexos positivos, e também negativos, decorrentes do movimento femininsta. Alguma dúvida de que essa leitura pode ser bastante esclarecedora? Então se joga e clica aqui!

 

ASSINE!

5 comentários sobre “Você é daquelas que acreditam nunca acertar em suas relações amorosas?”

  1. claudia medeiros comentou:

    oi Lidi, muito obrigada pela visita e pelos comentários lá no blog! Suas palavras sempre são de apoio e isso é muito importante.

    grande beijo

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Imagina, Claudia!
      Por nada! =)

      :*
      Lidi

  2. Claudia Anderson comentou:

    Que assunto complicado, sabe que vejo mulheres fortes, determinadas, trabalhadoras, bonitas e ainda assim não conseguem firmar um relacionamento por muitas vezes fiquei na minha juventude me perguntando: como ela esse ser quase que perfeito não consegue “segurar um homem”, mas hoje já nos 38 vejo que para um relacionamento dar certo é necessário doação e muitas delas não estão dispostas a se doar de coração, ficam sabotando o próprio relacionamento e por fim acabam novamente sozinhas.

  3. Geisa Machado comentou:

    Oi Lidi!
    Obrigada, mais uma vez, pela parceria em mais um post.
    Infelizmente, por mais que se fale sobre o assunto, as pessoas insistem em buscar relacionamentos que “dão certo”, e ficam tão presas nesta questão que não conseguem perceber, de fato, onde estão falhando.
    Como eu disse: este tema é muuuuito complexo.
    Bjussss

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Obrigada a você pela consultoria, Geisa. Sempre muito disposta a colaborar, suas intervenções nos posts são de grande valia para as bichas fêmeas navegantes. =)

      Beijos,
      Lidi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *