Início » Entrevistas » Uma bicha fêmea por outra: Luci Cardinelli

Uma bicha fêmea por outra: Luci Cardinelli

Já ouviu falar na expressão “mineiroca”? Pois é como essa mineira por nascimento e carioca de coração se define. Luci Cardinelli, uma mulher forte e decidida de 52 anos, topou dar essa entrevista para o Bicha Fêmea e nela abriu seu coração.

 

A artesã que está por trás de 3 blogs revela toda a intensidade que carrega através de suas palavras e a forma como conduz a vida, a carreira, e das escolhas movidas pela honestidade consigo mesma. Justamente por isso é que hoje ela consegue dizer que, sim, é feliz verdadeiramente.

Você ainda não conhece a Luci? Ao final dessa entrevista, bonita, você certamente vai lamentar por não tê-la acompanhado em seus blogs – Artes da Luci | Postando Sobre Artes | Vida – todo esse tempo. Tanto como mulher, como pela profissional que é, ela tem muito a compartilhar e suas revelações falarão isso por si. Duvida? Acompanha e confere!

 

Você edita 3 blogs atualmente, o que te dá uma projeção importante na blogosfera. Não raro, você posta presentes que recebe e fala de sua relação de carinho com blogueiras e leitoras com quem se relaciona. Dá para dizer que todos são seus amigos?

 

Amigos, não! Outro dia li a seguinte frase no Twitter: “Que mundo é esse onde as pessoas usam ‘eu te amo’ como se fosse ‘ bom dia’ ?” e eu assino embaixo. As palavras estão sendo banalizadas e as pessoas as usam de qualquer jeito. Hoje se chama todo mundo de amigo e para mim não é bem assim, sou da antiga. Amigo é algo bem especial, são poucos, são mais íntimos, amizade se cultiva. Nas minhas relações virtuais, tenho colegas de profissão, as outras artesãs, tenho pessoas queridas, pessoas que admiro, respeito, e algumas se tornaram amigas, umas que nem conheço pessoalmente e outras que frequentam minha casa. Porém gosto de todo mundo com quem me relaciono porque não tenho o hábito de me relacionar com pessoas que não gosto, que não me fazem bem. Há muito tempo não sei ser politicamente correta me relacionando com alguém que não gosto ou que sei não gosta de mim. A vida é muito curta para se perder tempo com isso. Porém se você me perguntar se elas gostam de mim, ou me admiram, ou têm algum carinho, eu acredito que sim.Você vai convivendo, lendo, observando e consegue distinguir quem é quem, a índole de cada um, ninguém consegue viver de aparências o tempo todo, sempre há as escorregadas. E para mim não é importante só como a pessoa é comigo, mas como ela é com todos

 

Você contou nos posts “Como artesã? I” e “Como artesã? II” sua trajetória profissional que passou pela área financeira e desembocou na sua área de atuação hoje. Você admite num dos posts que sabe que há pessoas que têm dificuldade de abrir mão de coisas materiais, e para você essa mudança implicou nisso também. O que te motivou a ter coragem de mudar sua vida nesse sentido?

 

Antes de mais nada eu tive a oportunidade de fazer isso. Com o falecimento dos meus pais, que dependiam financeiramente de mim, com a minha demissão após 16 anos na empresa, recebendo além dos meus direitos, uma boa gratificação, e tendo apartamento próprio, eu pude escolher, e escolhi me realizar após minha vida ter mudado 180 graus. Faltavam 5 anos para eu me aposentar, fiz contas do dinheiro que tinha e quanto poderia gastar por mês nesses 5 anos, abri mão de uma série de coisas, como o plano mais caro de tv a cabo, vinhos das marcas que tomava, supérfluos e marcas de supermercado, cabeleleiro que freqüentava, comprar roupas e sapatos só quando precisar e em lojas mais populares e por aí vai… Troquei tudo por fazer o que eu queria e ser feliz e realizada, o que o salário que eu tinha não me dava. E sabia que se nesse tempo eu precisasse de dinheiro por algum motivo, podia trocar o apartamento por um menor. Como eu disse eu tive essa oportunidade que Deus me deu e fiz minha escolha, o que para mim era mais importante. Hoje levo uma vida infinitamente mais tranqüila e tenho consciência que sou uma pessoa privilegiada. Claro que eu gostaria de fazer muito mais coisas, de viajar muito, de comprar coisas que desejo, mas não sou infeliz por não poder fazê-las ou tê-las. Também faço planos para quando a aposentadoria chegar, quando terei um valor fixo a receber, pois artesanato não paga as contas de ninguém, tenho sonhos para realizar. Sei que muita gente gostaria de fazer isso. Muitas não têm como, mas muitas não o fazem porque não conseguem abrir mão de certas coisas, têm medo, mas podem se planejar e realizar isso, basta querer e traçar prioridades.”

 

No post “Copiar ou não copiar?” você lançou uma discussão sobre alguns aspectos de quem está na área do artesanato, a exemplo da competitividade tão exagerada entre as profissionais da área ao ponto de que algumas, muitas vezes, sequer respondem e-mail com dúvidas sobre técnicas, materiais, etc. Contudo, você se mostra tão a parte nesse comportamento que até criou um blog para dividir o que você sabe com quem quiser aprender. Essa é a melhor das estratégias para permanecer neste ramo de negócio?

 

Isso nada tem a ver com estratégia para nada. Sempre recebia emails me perguntando algo sobre meus trabalhos e ainda recebo. Perguntava sobre a tinta que usava, como fazia isso e aquilo, onde consegui alguma imagem… Durante minha vida encontrei muitas pessoas que me ensinaram algo e acredito que quanto mais damos mais recebemos e foi por isso que abri o blog. Aprendi muito de técnicas em comunidades do orkut, graças a artesãs que não se importavam em dividir seus conhecimentos e o blog é uma forma de retribuir isso. Sempre que scaneio um papel que uso, um pap numa revista ou faço um pap meu, penso principalmente nas pessoas que moram em cidades onde não têm acesso a esse material ou a aulas. Recebo emails com histórias de como algo que ensinei no blog as ajudou, que faz valer a pena o tempo que gasto com ele e que só me animam a continuar fazendo. Fiz parcerias para sortear material no blog onde não ganhei nada, porque fui buscar empresas que nunca tinham feito isso, e fiz por meus leitores. Quando dou chances extras em sorteios se a pessoa divulgar, é principalmente para que mais gente conheça o blog e possa usufruir dele. Não tenho problema algum em fazer posts sobre material de certas empresas mesmo não tendo parcerias, porque não vou deixar de dar dicas, ou ensinar algo porque não ganho nada em troca. Hoje quero aproveitar e fazer novas parcerias e se possível ganhar algo, mas o ensinar, para mim é o principal.”

 

Você já tirou alguns de seus blogs do ar motivada por leitores que insistem em cobrar visitas e comentários, e que até alegam que essa é sua obrigação, a exemplo do que você publicou no post “Atualizado – Reativando o blog”. Com o tempo, você voltou… você se sente melhor preparada para lidar com esses leitores equivocados?

 

Sim, me sinto, amadureci em relação a isso. Eu quis acabar com algum blog meu diversas vezes e acabei descobrindo que muita gente que gosto e admiro também sentem isso. Elas se afastam do blog por um tempinho, eu logo queria acabar e pronto! Como diz minha amiga Elaine Gaspareto do blog Um Pouco de Mim, eu sou muito intensa. Quando escrevo tudo que sinto e me aborrece, me sinto bem melhor. Sou assim na vida virtual e na real. Impossível eu me aborrecer com algo ou alguém e ninguém perceber, sou muito transparente, o que pode ser bom e ruim. Também já saí do Twitter 2 vezes e antes disso saí trocentas do orkut. Porém não tenho vergonha nenhuma de voltar 2 dias depois, não me preocupo com o que pensam de mim. De um tempo pra cá vim trabalhando isso em mim, ignorar o lado negativo da blogosfera, da vida virtual. Decidi não permitir mais que pessoas pequenas e pobres de espírito me magoem, gente que para lhe dizer coisas precisam se esconder atrás de perfis anônimos. Comecei a ter um olhar de pena sobre as pessoas que fazem cobranças descabidas e/ou agressões gratuitas. A gente sempre tem o que mudar, amadurecer e eu estou sempre me questionando e procurando onde posso melhorar.”

 

Luci, só no trololó…

 

A principal característica de uma boa artesãpaciência.

A vida me ensinou quesempre tenho o que aprender e melhorar como pessoa.

Um dia aindaespero ver um mundo melhor, pois eu já vivi num mundo melhor que o atual e gostaria que as novas gerações também pudessem experimentar isso.

O que a blogosfera tem de melhor écomo na vida, poder conhecer pessoas que valem a pena.

Um blog bom é aqueleespontâneo e verdadeiro.

Ser blogueira tem sidouma aprendizagem.

Mais no Bicha Fêmea…


Uma bicha fêmea por outra: Tatiana


Uma bicha fêmea por outra: Juliana Stelli


Uma bicha fêmea por outra: Rejane Batista


Uma bicha fêmea por outra: Larissa Lieders


Uma bicha fêmea por outra: Veronica Kraemer

22 comentários sobre “Uma bicha fêmea por outra: Luci Cardinelli”

  1. Telma Maciel comentou:

    Que delícia de entrevista! E é isso msm, quem não conhece a Luci não sabe o que tá perdendo!
    Uma pessoa boa, cativante e mto amada! Já foi adotada com tia de mtas (eu msm adotei… será q ela sabe disso? rs) É um AMOR de pessoa!
    Adorei essa entrevista!! Mto verdadeira msm!
    bjs

  2. Vânia Pinho comentou:

    Oi Lidi…achei a Luci uma simpatia de pessoa!!! Vou correndo lá pra conhecê- la melhor…pois me pareceu uma mulher de garra e muito generosa!!
    Adoro esse trololó com as blogueiras!!!

    Bjux e ótimo fim de semana

    Vânia Pinho

  3. Cibele Leite comentou:

    Oi Lidi, adorei a entrevista com a Luci, gosto muito do blog dela, ela traz dicas muito interessantes, ensina muito, sempre disposta a ajudar, uma amiga especial que ganhei com a blogsfera.

    Bjs para as duas!

  4. Fabiola comentou:

    Boa tarde!

    Adorei a entrevista e sou sortuda, conheço a Luci pessoalmente, ela é um doce, super afetiva e seus trabalhos são muito bonitos e bem acabados.
    Além de saber fazer, a Luci tem o dom de ensinar, é generosa, inteligente e bem humorada, tudibom!!

    Ótimo final de semana, beijoca,

  5. Andreia Lica comentou:

    Adorei o post.

    Tive oportunidade de conhecer a Luci pessoalmente, posso dizer que atras de toda essa intensidade dela, mora uma pessoa de coração enorme e simpaticíssima.

    Bjão

  6. Fátima comentou:

    A Luci é simplesmente uma querida.
    Sinto-me privilegiada em conhecê-la pessoalmente.
    A defino como transparente, amiga de verdade e grande artista.
    Espero de coração passar mais tempo ao seu lado e dividir muitas alegrias pelo resto de nossas vidas.
    Parabéns Lidi, por este belo espaço.
    Um beijo enorme nas duas!

  7. Vivien Morgato comentou:

    Interessante a entrevista e a mudança que a entrevista se arriscou corajosamente a fazer. Gostei.;0)

  8. Neli Rodrigues comentou:

    Luci é um exemplo na blogsfera. Lidi, vc sempre sabendo escolher a bicha fêmea da vez. Ótima entrevista.
    Bjs♥

  9. sandra comentou:

    Parabéns,
    ficou super boa a entrevista.
    Sandra

  10. Luci Cardinelli comentou:

    Lidi, obrigada pelo convite!

    E a todas, obrigada pelo carinho 🙂

    ótimo final de semana

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Imagina, Luci!
      Não há por que agradecer.
      Já eu, agradeço sua confiança. 🙂

      :*
      Lidi

  11. Raven comentou:

    Ai, que orgulho eu sinto dessa minha querida primamigairmãmãe Luci! Eu a admiro muito, muito, muito MESMO!!

  12. Lin Sousa comentou:

    olá, adorei ler essa entrevista com a Luci , uma artesã de mão cheia , que faz trabalhos lindos ( amos os mdf) e que tenho o prazer de conhecer pessoalmente … aprendo muito com seus blogs e até uma aula de mdf já tive com ela … já a conheço há 01 ano e acho merecido esse destaque ao seu trabalho .. parabéns pela iniciativa .. bjks LIN

  13. Tays Rocha comentou:

    Lidi, quanto tempo sem vir aqui… ;o(

    Eu adorei essa entrevista, conheço a Luci há pouco mais de um ano, e ela é um exemplo prá mim, de pessoa doce, que sabe valorizar os sentimentos, que respeita e sabe ser amiga sempre, incondicional e desinteressada. E o que mais gosto, ela se mostra, vive uma vida de verdade, real, publica o que sente e pensa, sem se preocupar com os níveis de audiência, ela é autêntica, a palavra é essa. Eu não tive o prazer de conhecê-la pessoalmente, mas espero que não demore muito prá nos encontrarmos, conversar e tomar vinho, ela é o tipo de gente que a gente quer sempre por perto. Sem contar nas coisas lindas que faz e na generosidade em dividir o que sabe, uma raridade na blogosfera. Eu a tenho guardada num cantinho especial do meu coração ;o)

    Beijos e bom final de semana ♥

  14. chica comentou:

    Adorei ver a Luci por aqui, com seu dinamismo e alegria sempre. Gosto muito dela! beijos às duas,chica

  15. Evani comentou:

    Oi Lidi, adorei a entrevista com a Luci . Conheço o trabalho dela e acho ela uma fofura de pessoa.
    Beijos e um ótimo final de semana pra voce.
    Evani

  16. Flávia Mergulhão comentou:

    Bela entrevista!
    Admiro muito esta “mineiroca”, não só pela sua arte, mas por seu coração enorme!

    Bjos para vcs duas

  17. Vânia Pinho comentou:

    Oi Lidi, postei um “eu que fiz” lá no blog…passa lá!

    bjux e um lindo fim de semana

    Vânia Pinho

  18. lenita comentou:

    Oi Lidi

    Gostei muito da entrevista com a Luci, e aproveitei a dica para conhecer os blogs dela também, adooorei.

    Beijão

  19. Simone Scharamm comentou:

    Oi, Lidi,
    Tempão que não venho comentar!
    Recebendo seus posts por e-mail, acabo não vindo te dar o meu abraço!
    Mas hoje, sobrou um tempinho. Quero dizer que a entrevista foi ótima, como sempre. E a sua escolha não podia ser mais acertada: a Luci é dessas blogueiras pra lá de especiais!
    Amei o post! Beijocas e bom domingo!

  20. luma comentou:

    Cada um tem o seu mode do sentir as pessoas e por elas desenvolver afinidades ou não. Na websfera, tudo se complica quando encontramos pessoas carentes de afeto ou deslumbradas, porque convenhamos, quem mais nos dá trabalho são pessoas que já veem com problemas. Não é o caso da Luci, ao contrário, ela não é uma pessoa mutilada emocionalmente e tem afeto em demasiado para ofertar e isso incomodou alguns “aparecidos”.
    Algumas coisas da entrevista desconhecia, como as ações após a morte dos pais, o que me deixa mais afinada com a Luci, porque passei quase que pelo mesmo processo – foi quando decidi entrar para o “Movimento Slow” – até comento sobre isso no post atual. Porque vivemos uma única vez e porque vamos gastá-la com bobagens?
    Beijus,

  21. Pingback: Estilos de vida e de blogar: cada bicha fêmea com o seu!
  22. Trackback: Estilos de vida e de blogar: cada bicha fêmea com o seu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *