Início » Comportamento » Casamento duradouro. Isto tem algum segredo?

Casamento duradouro. Isto tem algum segredo?

Em tempos de liberdade total, e de escolhas possíveis e diversas, só está casada hoje em dia quem quer, não é verdade? O que mais a gente vê é o “casa e sapara” alheio, fazendo dos casamentos duradouros os desvios da regra.

O que será que há nesses casamentos duradouros que faz a relação dar certo? Ou o contrário, o que pode ter havido nos relacionamentos que não deram certo e que servem de alerta para as que querem manter o seu casamento, mas de maneira saudável e feliz?

Receita de casamento perfeito a gente até sabe que não existe, e segredo também creio que não. Eu acredito que pequenos detalhes em uma relação, que podem ser totalmente diferentes em outra, é que podem determinar ou influenciar muito para que uma relação dê certo. Algo que julgo extremamente importante para que um casamento possa ser duradouro é a manutenção das delicadezas.

Você acha aceitável que por que o casamento já tenha acontecido, a mulher ou o homem se ache no direito de, por exemplo, levantar a voz para o parceiro? Ou ainda, depois de um mal entendido ou palavra mal colocada, ser esquecida a delicadeza do pedido de perdão? E onde está escrito que marido e mulher estão liberados de pedir “licença” e “por favor”,  e dizer “obrigado”?

Sinceramente, acho que isso configura o começo de uma relação que tende a desandar, ou ainda, sobreviver aos anos agonizando. É como se as pessoas se sentissem garantidas de que o casamento não vai acabar, porque é fato consumado e, por isso, vale tudo, ou o respeito não vale mais nada. Será que é isso mesmo?

Para a psicanalista Geisa Machado, que edita o espaço virtual “A Força e a Beleza de Ser Mulher”, um casamento precisa de delicadezas e muito mais porque “muitos casais até usam as palavras “perdão, por favor e obrigado”, mas na primeira oportunidade maltratam-se e humilham-se de diversas formas”. A psicanalista, que também é terapeuta de casais, explica que vê situações em que, “na realidade, os conjuges estão a favor de si (se defendendo e atacando o outro) e não a favor da relação. O amadurecimento emocional implica nas pessoas olharem as próprias falhas, buscar corrigi-las e parar de procurar culpados quando as coisas não vão bem.”

Certa de que há muito mais em uma relação que determine que ela vá ser duradoura ou não, convidei algumas leitoras para que dessem sua opinião, assim como espero a sua nos comentários. É lá nos comentários, inclusive, onde o melhor do Trololó de Mulher acontece, e o trololozin rola solto…

A Katia Bonfadini, designer que comanda o “Casos e Coisas da Bonfa”, aposta no respeito ás singularidades de cada um:

Acho que respeito em geral é muito importante, inclusive no que concerne às singularidades e à privacidade de cada um no casamento. Conviver com alguém pode se tornar algo bastante complicado e exige um bom jogo de cintura, seja com o parceiro, seja com familiares ou colegas de trabalho. Acredito que numa relação saudável e equilibrada deve haver respeito aos limites do outro.”

Já a Simone Scharamm, editora do blog “Festas e etc…” e que vivenciou o fim de um casamento mas continuou acreditando no amor, aponta a necessidade de paixão e companheirismo na relação:

Pra mim, o casamento é duradouro quando há paixão e companheirismo. A paixão carece de conquista, de rega diária, de olho no olho…o companheirismo é estar sempre juntos, mesmo nos momentos em que a rotina da vida, faz abrandar a paixão! Palavra de quem já viveu um casamento desfeito, porque a falta de companheirismo “matou” a paixão e que deu a volta por cima e vive há 13 anos um amor muito apaixonado! Ah…(suspiros!!!)”

A Juliana, dona da “Pitadinha”, acredita que a forma como o casamento é encarado e as expectativas em torno dele é que podem influenciar na durabilidade, ou não, de uma relação:

“O amor das novelas, dos filmes, das paixonites, é tão egoísta quanto efêmero. Uma euforia que tem começo, mal dá tempo de ter meio, e já chega ao fim. Por isso as pessoas terminam relacionamentos e começam outros desesperadamente. Ficam correndo atrás de alguém que possa proporcionar-lhes um estado de permanente romantismo, no caso das mulheres, e de efervescência sexual, no caso dos homens. Então o que se ama é o êxtase que o relacionamento traz e não propriamente a pessoa a quem se diz amar. Amar alguém implica em saber que ela é uma pessoa cheia de defeitos e qualidades, enxergá-la por inteiro, e querer estar ao seu lado mesmo assim.”

O que as leitoras apontam como pontos positivos numa relação que tende a ser duradoura?

> Preservar as delicadezas dos tempos de namoro;

> Enxergar os próprios defeitos ao invés de somente acusar os do outro;

> Respeitar a privacidade do outro;

> Cultivar a conquista diária e o companheirismo;

> Amar o outro de forma real, aceitando que ele também tem defeitos.

Quer completar a lista, bonita? Fala aí nos comentários!

Imagens: stock.xchng

Atualização:

As leitoras falam…

Depois de tudo o que foi dito nos comentários, o que comprova que o melhor do Trololó de Mulher está mesmo por lá, não poderia deixar de atualizar o post com um trecho importantíssimo da psicanalista Geisa Machado sobre o que foi dito no trololó: “…Muito interessante as dicas que todas colocaram. E estão certíssimas, porém tenho algumas ressalvas a fazer. Tudo o que está sendo dito é o que todos nós (homens e mulheres) sabemos que deve ser feito. Agora, para ser feito é preciso levar em consideração alguns detalhes: é fundamental haver respeito, amor, confiança e individualidade na relação. A paixão existe para acontecer a atração e o envolvimento, mas com o tempo ela acaba. Aí começa a CONSTRUÇÃO  do respeito, amor, confiança e individualidade. E para isso o diálogo é essencial. Respeito: nós só podemos respeitar alguém quando nos respeitamos primeiro, senão isso fica confundido com “submissão”. Ex: eu acho que respeito meu marido, quando na realidade estou submissa a ele por medo que ele me deixe. Individualidade: a individualidade pode ser confundida com “individualismo”. Para fazer valer a individualidade a pessoa precisa descobrir primeiro quem ela é de fato e o que ela quer. É muito falado em “aceitar os defeitos do outro”, mas para isso é preciso descobrir os seus próprios defeitos e aceitá-los antes de tudo (o que é difícil, pois temos mecanismos de defesa que nos impedem de ver as nossas fraquezas). Para isso, muitas vezes, é necessário uma ajuda profissional…”

Viu? E o debate está bom mesmo é nos comentários… corre lá!

Veja também:

Casamento: os conselhos mais inteligentes. Já leu?

 

ASSINE!

49 comentários sobre “Casamento duradouro. Isto tem algum segredo?”

  1. Rosana comentou:

    olá gostei do seu post de hoje e por coiscidencia hoje é meu niver de casamento, faço 24 anos de casada e somos muito felizes, não vivemos de aparencias, jamais fariamos isso, sentimos o mesmo fogo da paixao de antigamente e acho que existe amor verdadeiro sim, pessoas que se respeitam, se admiram e dividem juntos problemas, alegrias e conseguem ser felizes mesmo assim, se superando a cada dia……

    bjinhussss lindo dia pra nós

  2. Lidiane Vasconcelos comentou:

    Nossa, Rosana! Meus parabéns! 24 anos de casados é um marco, não é para qualquer casal. E você tocou num ponto que acho muito importante, principalmente para mim que tenho apenas 5 anos de casada: manter o fogo da paixão e recusar-se a viver de aparências. Conheço histórias de casamentos que caminharam justamente para esse erro: manutenção das aparências. É triste, mas parece que é muito comum, né? Sabe-se lá o porquê… deve ter tanta coisa envolvida…

  3. Milena comentou:

    Lidi,já comentei sobre esse assunto outras vezes.
    Além de tudo que você e as outras meninas colocaram,sem amor,seja ele qual for(pois é difícil medi-lo) é uma tarefa impossível.
    Casamento é uma relação que se ajusta todos os dias.
    O meu tem 17 anos e começo a viver uma fase interessante,a qual venho pensando esses dias.
    Meu marido fez ontem 47 anos e eu farei 41,como assim,cara pálida??
    Estamos começando uma nova fase nas nossas vidas:bem ou mal,estamos envelhecendo.Porque daqui para frente ninguém ficará mais jovem,certo?
    E esse momento me faz refletir sobre nós,nossos filhos,nosso futuro e isso influencia nosso casamento.
    Se não repensamos nossas vidas não temos como levá-las adiante com sucesso.
    Colocar-se fora do lugar que estamos e olhar o outro,nos leva ao respeito e ao exercício de saber que,apesar de casados,não podemos invadir e desrespeitar o parceiro,assim como todas as relações.

    Bjs

  4. Rita Vieira comentou:

    Como sempre ótimo esse trololó!
    Eu ontem mesmo conversava com marido sobre isso!
    O importante é escolher uma pessoa pela razão, aquela que combina, que é companheira. Não pela aparência ou pela paixão. Paixão passa!

    Escolhi esse marido (meu segundo) porque ele era um grande amigo e uma companhia muito agradável. E com o tempo o amor chegou. Temos muito em comum, gostamos muito da companhia um do outro e mantemos o respeito e a delicadeza, a individualidade, o espaço, enfim… acho que esse vai durar!!! rsrs

    Beijo, Bicha Linda!

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Nossa, Rita!
      Está aí um depoimento fora do comum vindo de uma mulher, admitindo que é possível um casamento dar certo sem que o amor tenha motivado a escolha do parceiro. E mais, que o sentimento veio somente depois, com a convivência. Super inusitado…

      Mas isso não é comum, né?! :O

  5. Joana Campos comentou:

    Oi Lidi, que texto legal…eu concordo com todas, mas principalmente com a Juliana, ser casada não é fácil, mas pode ser muito gostoso, a partir do momento que vc investe no casamento e deixa o egoísmo de lado, pois tem que se pensar na aliança… mas não no anelzinho de ouro, na aliança que se formou, entre vc ,ele e o espirito santo, formando assim o cordão de 3 nós….e se vc pensar assim consuma o que Deus diz, O QUE DEUS UNIU, não separe o homem.

    belo post!

    parabéns por enfocar esse tema, estamos precisando muito pensar nisso, pois está havendo muitos lares desfeitos, e com isso filhos sem direção, e muitas tragédias….

    Beijos, voltarei para ver os outros comentários.

    Joana Campos

  6. Raquel Machado comentou:

    Oi Lidi,
    Como anda a vida tudo joia? Depois de um bom tempo estou tentando voltar a vida blogueira e decidi vir te ver já que acho seu blog tudo de bom. Bem sobre a matéria de hoje acho que o principal em um relacionamento é o “Respeito” e em segundo lugar a “Individualidade” as pessoas são unicas cada um tem seus gosto, hobbys e maneira de ver a vida diferente acho que para dar certo a convivência é necessário isso por isso sou um pouco contra aquele ditado que todos somos metades de laranja acho que não, devemos ser laranjas inteiras porque dai sim os dois poderão viver e ser felizes. Quando puder da uma passadinha la no meu blog estou tentando uma nova maneira de escrever nele. Bjks

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Oi, Raquel!
      Quanto tempo! Vou passar para te fazer uma visita, sim! Deixe comigo! 🙂
      sobre teu comentário, sabe que concordo? Hoje em dia acredito piamente que o casal deve manter suas individualidades, sim. Se um perde a identidade em detrimento do outro, e passa a virar a sombra de outra pessoa, acaba ficando infeliz. E vamos combinar que viver com alguém infeliz é extremamente desgastante, né?

  7. Maria comentou:

    Olá. Penso que a maioria dos casais, após o casamento, toma o outro como algo adquirido. Se as mulheres se “desleixam”, os homens quase voltam à vida de solteiro. POr isso, já não precisam de investir na amor.
    Muito mudou, entretanto. O trabalho ocupa a mulher, depois há as tarefas domésticas, que nem sempre são partilhadas por ele.
    Há também a falta de diálogo, sobre a relação, a sexualidade, a tal individualidade, também.
    O sexo deixa de ser intenso, deixa de ser frequente. O toque, a emoção, o sentimento, a brincadeira, e acima de tudo m a cumplicidade,que fazem parte da relação, esvaem-se.
    A timidez, a frieza, a falta de diálogo, aumentam com o decorrer do tempo. Se o casamento se mantém, é porque há os filhos, ou a situação económica de um é confortável e o outro acomoda-se. Também , viver de aparência faz parte da relação.
    Há casamentos duradouros, acredito neles, mas o casal tem de investir na confiança, no respeito, na partilha, no sexo.
    Beijinho

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Maria, lendo teu comentário o que consegui identificar como problema que resume isso tudo é a tal da rotina. Digo, a rotina engulindo o casal. Eu não acho a rotina de todo ruim, ela até trás equilíbrio em certa medida. Creio que o problema é quando o casal se automatiza por causa dela. Quando a gente deixa de sentir borboletas na barriga e não acha isso estranho, não busca nada para mudar algo, não conversa, não fala o que sente. Aí a rotina engole o casal, e quando vai ver, pode ser tarde damais… tsc tsc tsc

    2. Victor comentou:

      Tudo que diz é verdade na maioria dos casos. Nao no meu caso. Estou casado faz 35 anos. Claro que olho para as outras mulhéres e a minha esposa olha para os outros homens. Olhar nao é proibido e é até um meio de cada um de nos sorrir nos momentos intimos. Ajudo em tudo na nossa casa. Nao é vergonha nenhuma um homem varrer …passar o aspirador… fazer comida …mudar as fraldas aos netos e tudo o mais que os ditos machos dizem ser tarefa de mulher. Se amo? Se nos amamos? Na logica da vida que levamos. Sim. Hexiste o amor. Mas o amor sem o erotismo nao hexiste e é ai que esta o nosso segredo. Somos amantes quando estamos sozinhos e nao importa em que situacao. A minha esposa e eu fizemos amor como amantes. Vamos passear e é na praia … no carro. Ja fizemos amor muitas vezes nessas situacoes. Pois gostamos de ser amantes. Mesmo com 35 anos de casados. Éla tem 52 anos eu tenho 58 anos. Trai a minha esposa uma vez …nao gostei. Gosto mais com éla que desde os seus 17 anos me é fiel. O nosso amor nao é um exemplo. Quando hexiste uma situacao dificil na nossa vida. É na cama que resolvemos a situacao. Depois vamos espairecer. Fazer compras para os netos…para os filhos…para a casa e algumas vezes compramos para nos também. O que importa é estarmos juntos. Nao. na nossa vida nao hexiste rotina. Na nossa vida hexisto eu e a minha esposa. Na nossa vida hexiste o amor amante. A responsabelidade. A cumplecidade. Eu ensinei éla a conduzir …Éla ensinou eu a ficar em casa. Os filhos adoram vir visitar-nos. Os netos amao passar os fins de semana na nossa companhia. Minha esposa é uma guerreira. Uma amazona. É a minha amada amante e eu sou o seu velho garotao.

  8. Karla Jeanne Araújo de Moraes Costa comentou:

    Como vc disse no inicio do post, não tem receita e nem passa de mágica para um casamento feliz e duradouro.
    Mas penso que o que une duas pessoas por tanto tempo é, a capacidade de enchegar, o que de bom tem cada um , e isso sem ter que esconder seus defeitos. É aceitar as llimintações do outro e reconhecer as suas também.
    Aí vejo que o AMOR pode ser duradouro. Por que quando focamos só os defeitos ou só as qualidades, começamos a nos decepcionar com o outro e como nós mesmos por ter feito tal escolha.
    A paixão é importante, mas não deve ser tudo, por que quando ela passar, pode ser que tudo acabe.
    Tenho feito essas escolhas eu e meu esposo a 17 anos, e com a Graça de Deus tem sido maravilhoso.
    Erramos juntos, acertamos juntos, aprendemos sempre, e juntos sempre!!
    BJKS DE KARLA***

  9. Juliana comentou:

    Falação boa hein…

    Lidi, parabéns pelo post. Ouvi tanto besteirol antes de casar que morria de medo do que ia encontrar, e vi que é possível sim ter uma relação linda e um amor possível, real.
    Sabe que coincidentemente hj é niver do marido e fiz um post pra ele que tem tudo a ver com o seu. Bjus!

  10. Pingback: Tweets that mention Casamento duradouro. Isto tem algum segredo? -- Topsy.com
  11. Trackback: Tweets that mention Casamento duradouro. Isto tem algum segredo? -- Topsy.com
  12. Silvia Azevedo comentou:

    Diálogo é essencial. Sem ele não é possível manter uma boa relação por tanto tempo. Costumo dizer que uma relação na qual não se resolve as “picuinhas” logo, é como uma lixeira onde vai se acumulando os “pequenos lixos” – as implicâncias, as indelicadezas, as asperezas, as negligências… – e, conforme o tempo vai passando, chega um dia em que a lixeira não suportará tanto lixo e transbordará. As relações que já vi terminar, foram resultados de acúmulos contínuos de “briguinhas” e “pequenas divergências” mal resolvidas.
    Aprendi que dormir “de mal” não faz bem á relação e tento seguir esta máxima. O que posso dizer é que tem dado certo até agora.

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      A necessidade de diálogo que você fala, Silvia, me faz lembrar que é importante que a pessoa com quem a gente está também seja um amigo para a gente, um cúmplice. É com amigos que a gente conversa, não é? Costumo dizer que marido é meu melhor amigo… e é mesmo. 😀

      1. Silvia Azevedo comentou:

        É verdade, Lidiane, o marido tem que ser sim um amigo, até porque quando o sexo “não funcionar” muito bem mais, sobrará o quê?

        O casamento tem que ser muito mais que atração sexual; é parte intrínseca, mas não se sustenta uma relação só nisso, não é?

        Engraçado mesmo você falar seu marido é meu melhor amigo porque conversamos sobre isso no último encontro de casais (sim, participo junto com meu marido de um grupo de casais!). Dizíamos que muitas mulheres tem “medo” de conversar determinados assuntos com o marido, inclusive assuntos íntimos… Algo ruim, pois prejudica a vida amorosa e sexual do casal também.

        1. Lidiane Vasconcelos comentou:

          E não é verdade? Quando a gente ficar velho e a atração sexual for algo secundário ficará somente a amizade, o gosto pela conversa cultivado em um casal. Esse nosso “bate-bola” me fez lembrar um outro post publicado no Bicha Fêmea onde contei que conheci marido pela internet, e o trololó foi justamente sobre a importância que o gosto pela conversa teve na nossa aproximação, e que certamente fará diferença quando a gente envelhecer. Está aqui o post: http://www.bichafemea.com/2009/08/27/conversa-no-relacionamento/

          O trololó naquele post foi dos bons também… 😀

          1. Silvia Azevedo comentou:

            Ih, Lidi (posso te chamar assim também, né?), adorei o post que indicou sobre conversa no relacionamento e o início de seu romance!
            Também já me embrenhei neste mundo de relacionamento virtuais (a ponto de fazer minha monografia sobre o assunto…) e ainda apresentei-o à minha mãe que queria muito encontrar alguém legal para viver um romance que ela não conseguiu viver com meu pai. Ela conheceu um carinha e conversavam pra mais de ano; era só um “amigo virtual, até o dia em que ele veio ao Rio e pediu para levá-lo ao INCA (queria se informar a respeito de doação de medula óssea). Hoje estão namorando há uns poucos meses e felizes! Legal, né? Tomara que dure bastante! O relacionamento dela e o seu também. 😀

  13. Fabi comentou:

    Lidi, realmente manter um casamenti saudável não é tarfa das mais fáceis. A rotina, o dia-a-dia atarefado e cheio de tensões pode exterminar qualquer relação, mas quando há respeito, amor e confiança acho que tudo fica mais fácil de resolver. Pessoalmente, acho que o mais complicado de se administrar é a singularidade. Cada um tem suas manias, costumes, o tempo ajuda a equilibrar e adaptar, mas algumas coisas podem acabar refletindo no bom relacionamento, sim. Nestas horas busco refletir nas minhas próprias particularidades e manias, lembrar que ele também está se adaptando, pensar não só em mim, mas nele também. Quando há filhos esta tônica fica ainda mais forte, afinal, há um terceiro elemento na história que precisa ser preservado. Parabéns pelo texto! Como sempre super bem escrito e conduzido. Beijão, Fabi

  14. Renata Rossini comentou:

    Olá amiga Lidiane hj completo 14 anos de casamento com alguns altos e baixos.
    Qual casamento não os tem não é mesmo??
    Na minha opinião para que o casamento de certo ambos devem ser ouvidos e nunca mas nunca mesmo um deve falar mais alto que o outro.
    A unica palavra a ser dita o mais alto possível neste caso é EU TE AMO!!!!!!!!!!
    BJS

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Nossa, Renata! Quando um levanta a voz para o outro, na minha opinião, o respeito já era… sem chance!

  15. Renata Rossini comentou:

    AAAAAAAAAAA esqueci de comentar uma coisinha.
    DEVE HAVER MUITO RESPEITO ENTRE O CASAL!
    BJS

  16. beta comentou:

    Acredito que além do sentimento tem que haver muita boa vontade e força de vontade para que dê certo…

    bj

  17. Simone Scharamm comentou:

    Oi, Lidi,
    Bom dia!!!
    Ficou muito bacana o post sobre o casamento! Fico encantada com o jeito que você tem de tratar dos assuntos mais diversos e nos incitar a participar… faz parecer que estamos batendo um papinho gostoso na sala de casa,rs!
    Os pitacos das meninas serviram como cereja de bolo, né?
    Parabéns! Ótima semana pra você!

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Ai que bom que você gostou, Simone.
      Se parece um bate papo, então alcancei meu objetivo. 😉

  18. Telma Maciel comentou:

    Bom… eu tô entrando numa loucura! rs
    Meu namorado ainda está em processo de separação e eu vejo os problemas que tiveram e peço pra ele sempre se lembrar dos erros cometidos pra não repetir comigo e pra me ajudar a não cometer demais tb. Pq ELE já tem experiência, eu não, rs.
    O que combinamos é de manter a amizade que temos, o respeito. Acho que o respeito é a base. Se vc o perde, o amor vai indo embora, a paixão – que eu acho que é o que MOVIMENTA o relacionamento – acaba!
    Gostei demais d post!!
    Beijo

  19. yvone comentou:

    Lidi
    Puxa! Esse assunto renderia um livro heim?!
    Concordo com seu post e com todas as “receitinhas” que ajudam a manter uma relação a dois.
    Acrescento que também deve haver muita paciência. Os casais muitas vezes acabam se seprando por falta de paciência e tolerância mesmo. Além de tudo já citado, uma coisa que descobri ao longo do meu casamento, é que precisamos não perder a nossa identidade e individualidade, e para isso tem que haver confiança, respeito e amizade.
    bjus mandou super bem!

  20. Simone comentou:

    Oi Lidi sou casada a 14 anos e acho que a essencia de tudo é mesmo o AMOR, não somente o amor fisico mas sim o AMOR agapê – amor doação, pois muitas vezes, é necessário paciencia, abdicar-se de si mesmo em função do outro.

    Beijos

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      É aquela história de ceder um pouquinho de vez em quando, não é? Porque se não for assim, confunde-se individualidade com individualismo, exatamente como a Geisa (psicanalista) está explicando nos comentários…

  21. Fernanda Reali comentou:

    Achei o post com o conteúdo perfeito, adorei.

    Não gostei do título, porque casamento duradouro não quer dizer muita coisa. Conheci um casal que passou 50 anos – infelizes – juntos.

    Sugiro:

    Lembrar que casamento não é indissolúvel. Não é para sempre. Pode vir a ser para sempre se nos emenharmos nesta construção.

    Um dos ingredientes que não podem faltar é o namoro. Namorar, andar de mãos dadas, beijar muito, deixar bilhetinhos, ter carinho, fazer pequenas delicadezas cotidianas.

    Nunca achar que é a dona do marido (e vice-versa), nunca achar que é a mãe do marido. Nunca achar que é sócia do marido. Nunca achar que é empregada do marido, ou que é uma adversária que está competindo com ele.

    A sua família de origem é uma coisa, a fam[ilia de origem do seu marido é outra coisa, e sua família construída com seu marido é outra. Não exija que se mesclem ou que se confundam, pois às vezes são feitas de matérias diferentes.

    Manter a individualidade é uma boa dica.

    Conforme diz o verso do Vin[icius, que seja eterno enquanto dure.

    Há um livro excelente que aborda alguns desses aspectos e se chama Família de Alta Performance, do Dr. Içami Tiba.

    beijooo

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      “…O que será que há nesses casamentos duradouros que faz a relação dar certo? Ou o contrário, o que pode ter havido nos relacionamentos que não deram certo e que servem de alerta para as que querem manter o seu casamento, mas de maneira saudável e feliz?…”

      Posso ganhar um desconto no título agora? … ehehehehe…

      No mais, onde assino? Vi o que você twittou. 😉 Fiquei pensando: “quem me dera se todas as leitoras quisessem fazer “posts” nos comentários, quem me dera…

      Obrigada sempre por suas contribuições riquíssimas! 🙂
      Beijos

    2. Ivonéa Stabile comentou:

      Oi Fernanda, tudo bem?
      Li seu comentário, você está certíssima, muito bom mesmo. Não tem nem o que acrescentar !
      Vou ver se acho esse livro que indicou.
      Beijos……….

  22. Shirlene comentou:

    Acredoito sim e muito
    …ontem completamos 19 anos juntos!!!!
    respeito ,perseverança,acreditar em mudanças nos dois e acima de td ter sempre a certeza de o outro faz parte de vc é a para a vida toda .
    è nisso q acredito
    bjinhus no coração

  23. Geisa Machado comentou:

    Oi Lidi!
    Oi Bichas Fêmeas!
    Obrigada querida, mais uma vez, por me convidar a participar deste trololó.
    Muito interessante as dicas que todas colocaram. E estão certíssimas, porém tenho algumas ressalvas a fazer.
    Tudo o que está sendo dito é o que todos nós (homens e mulheres) sabemos que deve ser feito. Agora, para ser feito é preciso levar em consideração alguns detalhes:
    É fundamental haver respeito, amor, confiança e individualidade na relação. A paixão existe para acontecer a atração e o envolvimento, mas com o tempo ela acaba. Aí começa a CONSTRUÇÃO do respeito, amor, confiança e individualidade. E para isso o diálogo é essencial.
    Respeito: nós só podemos respeitar alguém quando nos respeitamos primeiro, senão isso fica confundido com “submissão”. Ex: eu acho que respeito meu marido, quando na realidade estou submissa a ele por medo que ele me deixe.
    Individualidade: a individualidade pode ser confundida com “individualismo”. Para fazer valer a individualidade a pessoa precisa descobrir primeiro quem ela é de fato e o que ela quer. É muito falado em “aceitar os defeitos do outro”, mas para isso é preciso descobrir os seus próprios defeitos e aceitá-los antes de tudo (o que é difícil, pois temos mecanismos de defesa que nos impedem de ver as nossas fraquezas). Para isso, muitas vezes, é necessário uma ajuda profissional. A tendência natural é projetar essas fraquezas no outro.
    Como a Fernanda disse muito bem, existem vários casamentos duradouros onde as pessoas se acomodam e se suportam. O importante é ter um casamento sadio e este só é possível no entendimento mútuo e se ajustando no dia a dia. Para isso acontecer é imprescindível o amadurecimento emocional (todos os terapeutas são unânimes nesta questão). Nós, seres humanos, ainda somos muito primitivos emocionalmente, por isso as nossas relações são tão conturbadas.
    Como este assunto me fascina, daqui a pouco vou escrever um livro aqui nos comentários. rsrsrs A minha intenção foi esclarecer alguns pontos que ficam muito obscuros e que a gente não presta muita atenção.
    Beijos a todas!!!
    Beijo pra vc Lidi e parabéns pela sua dedicação e consideração.

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Geisa, sou eu quem tem o que agradecer a você. Sempre!! A propósito, seu comentário só tornou o conteúdo do post ainda mais valioso. Feliz da vida, tratei de atualizar o post com um trecho dele. Muito obrigada! 😀

  24. Luma comentou:

    Recentemente escrevi um post sobre traição e isto, a meu ver é o pior dos males em um relacionamento, de amor, amizade ou trabalho. Os motivos para a traição são bastante torpes e já vi casos de a traição salvar um casamento. Algo do tipo, o casal encarar de frente onde estavam errando.
    Um casal deve sempre se lembrar do momento em que se conheceram, das emoções que sentiram. Alguns homens dizem que se esquecem, que não ligam para datas… mentira! Pergunta se eles esquecem o dia do aniversário deles! Valorizar momentos e também comemorar pequenas conquistas, deixa a vida mais leve!
    Conversas cotidianas que demonstram interesse pelo outro e um olhar positivo sobre a vida, ajudam muito uma relação, principalmente quando ela passa por crises. O “Eu te amo” torna-se obsoleto se não vier acompanhado destes pequenos detalhes. “Eu te amo” não é cura.
    Uma pessoa que está sempre reclamando, corta qualquer vontade de interagir. Acho que não podemos cair no erro da competitividade afetiva e demonstrações infantis de carência. Tipo assim, seu marido diz: “Não dormi bem a noite”. Daí você se lembra: “Nossa, ontem também não dormi bem”.
    Ou: “Poxa, estou com uma dor de cabeça que está me tirando a concentração. Horrível!” – Dai a contraparte diz: “Tive uma dor de cabeça que me latejava as temporas, agora a minha dor de cabeça andou para a nuca”.
    São exemplos que poderiam ter um outro desvio de conversa. “Porque você não dormiu bem a noite, estava preocupado com alguma coisa?” ou “Você está sentindo alguma coisa a mais que a dor de cabeça, está tomando algum remédio?”
    Na verdade, em uma relação a dois, não devemos olhar somente para o nosso umbigo, achar que somente nós nos sacrificamos dentro da relação. Acho que as conversas que repercutimos sozinhas dentro da nossa cabeça surtem um efeito muito ruim quando estagnadas e não esclarecidas. Ele pode estar pensando “Ela está emburrada, será que está de TPM? Nem vou chegar perto” e ela pensando “Poxa, ele nem viu que eu estou mal, nem olha na minha cara”.
    Sobre as delicadezas… e já que falou em psicologia. Existe uma pesquisa entre os psicólogos que revela o porque ferimos as pessoas que mais amamos e muitas vezes tentamos preservar as pessoas de fora, pessoas que nem conhecemos direito, tentando atender seus pedidos e nunca falar não. Entenda que para algumas pessoas, a “intimidade” quer dizer “conhecer os podres” (rs*)
    Beijus,

  25. Katia Bonfadini comentou:

    Oi, Lidi! Cheguei atrasada mas li todos os comentários! Tem muitas colocações interessantes e adorei o posicionamento da Geisa. A frase da Milena também é muito legal “Casamento é uma relação que se ajusta todos os dias.” Acho que casamento não é receita de bolo, mas muita gente acha que existe uma fórmula pronta pra ser feliz num relacionamento. Acho que isso é de cada um, somos todos tão diferentes e temos gostos e necessidades específicas em diferentes fases da relação. Já aconteceu de eu ter meu relacionamento criticado por pessoas de fora, que não conviviam comigo e que tinham seus próprios valores e conceitos do que é um relacionamento saudável/bom/ideal. Essas pessoas pensam que se você fizer X, vai ser feliz, se você fizer Y, não vai. Isso é muito simplista! Sou uma pessoa feliz em um relacionamento que vai completar 15 anos daqui a alguns dias. Claro que já tivemos altos e baixos, mas seguimos e amadurecemos juntos!!!! Beijão!!!! Obrigadíssima pela oportunidade do pitaco!!!!!

  26. Ivonéa Stabile comentou:

    Em relação ao casamento ” A mulher sábia, edifica a sua casa”.
    Para ter um casamento duradouro,só depende de nós mulheres na maioria das vezes, nós temos a inteligência de controlar a situação,somos sábia, isso é o suficiente…

  27. Cristiana Rego (Cristy) comentou:

    Oi Lidiane, nem sempre escrevo aqui, por pura falta de tempo….. mas desta vez tive que parar para ler e escrever um pouquinho…. Bem nao sei muito bem o que dizer sobre o fim de um casamento, na minha familia a maioria dos casamentos são longos e duradouros, ainda tenho avô (92 anos) e avó (87 anos) casados há 67 anos( vão completar em dezembro 68) e como diz o meu avô o mais dificil é com a mesma mulher e sem intervalo….. hahahahahha só meu avô pra falar isso…. Meus pais estão com 51 anos de casados e eu e meu marido 30 anos de casados… Bem eu casei com 16 anos, e antes que alguem pergunte não eu nao casei grávida, hj eu ja nem ligo para isso, mas na época eu ficava brava e perguntava, será que so se casa por estar grávida, nao se pode casar por amor não??? Bem , eu achava que a minha vida seria um mar de rosas, mas claro que nao foi, ao contrário foi dificil, sempre morando lonje da familia, mas acho que foi isso que nos uniu, nós tinhamos que nos apoiar um ao outro…. e nao podia sair correndo pra barra da saia da mamae….. e nem sogra enchendo o saco….
    Hoje ja estamos mais estabilizados na relação… Todos os dias falamos que nos amamos e que vamos casar em todas as vidas que Deus nos proporcionar….
    Eu nunca escrevi isso num blog, e nem gosto de ficar falando da minha vida particular, mas nao poderia deixar de dar o meu depoimento e falar ACREDITE no AMOR, ele existe, o segredo??? Paciência, tolerancia e muito AMOR e criatividade….
    Sempre falo para os meus filhos os dois lados tem que ceder… todo mundo fica admirado quando falo que meu marido vai comigo na Mega artesanal, em feirinhas de artesanato, etc…. mas pera ai náo é só isso, eu vou a salão de automóvel, loja de ferramentas tb…
    então é isso espero ter ajudado…..
    bjim cristy

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Que história bonita! 🙂
      Achei engraçado você dizer que ele vai nas feiras e artesanato com você, enquanto você também costuma fazer com ele os programas que ele gosta. Sabe por que achei engraçado? Por aqui acontece a mesma coisa… ehehehehe…

      Também estamos longe da nossa família, e somos os melhores amigos um do outro. Isso faz aumentar a cumplicidade, né? Faz, sim… 🙂

  28. Candida Nolasco comentou:

    Oi oi!
    Acho que o casamento, como qualquer relação é construída com base em três pilares: respeito, confiança e amor. Alguém já conseguiu estabelecer uma relação simples, sem algum desses itens? Amar é importante em qualquer circunstância…
    Super beijo

    Cândida

  29. Pingback: Casamento, auto-estima, comportamento e estilo de vida
  30. Trackback: Casamento, auto-estima, comportamento e estilo de vida
  31. Dri comentou:

    Oiee..
    Eu sou completamente a favor do casamento. Meus pais são casados há 28 anos e acho isso lindo!
    Amor, confiança, companheirismo, respeito…. Essas são as bases de um relacionamento e da familia.
    bjos e dorei o post!!

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Dri, e se eu te disser que eu achava que casamento não era lá essas coisas até casar com o homem certo? Acho que experiência boa, seja vivendo ou vendo uma relação saudável como a que você de seus pais é tudo, ‘né? Se for com a pessoa certa, eu aconselho todo mundo a casar. Coisa boa demais! 😀 … ehehehehe…

      Beijos!!

  32. Ana comentou:

    Oh eu aqui…de novo. 🙂

    Então, adorei esse post e os coments super legais. Sou casada há 26 anos , em junho agora serão 27. Mas de relacionamento temos 31 anos. E claro, já rolou muiiitas crises mas sabe o que eu acho essencial: respeito e admiração. Aí, vc supera e cresce junto.

    Beijinhos

    Ana

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Eita, Ana!
      Tempão junto com marido, né? E é bem como você disse, discordâncias sempre existirão, a forma como se lida com elas é que faz diferença, né?

      Beijos

  33. Pingback: Você já viveu um amor louco… um louco amor?
  34. Trackback: Você já viveu um amor louco… um louco amor?
  35. walema comentou:

    gostei da conversa, porque é verdade. E assim devemos agir se queremos casar, e mantermo-nos casadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *