Início » Comportamento Infantil » Bichas Fêmeas em Debate: filho de ecomãe, ecofilho é?

Bichas Fêmeas em Debate: filho de ecomãe, ecofilho é?

Alguém ainda duvida que o exemplo de uma mãe pode exercer influência no comportamento das crianças em vários aspectos, inclusive na consciência ecológica dos nossos futuros adultos?

Sobre tantas outras posturas, nós já conversamos sobre a importância de servir como um bom modelo para a educação das crianças, lembra? Felizmente, muitas mães levam isso muito a sério, e estão antenadas com as demandas atuais, contribuindo com suas posturas ecológicas, e formando futuros cidadãos que, sim, podem mudar o mundo. Alguém subestima esse poder? Eu é que não…cof cof cof

Imagino que ao tornar-se mãe, a mulher adquire um poder superultramega secreto de enxergar além, e perceber o que é melhor para o bem-estar dos filhos. E se isso inclui mudar hábitos que ela trouxe da infância dela, sem problemas. A mãe encara esse desafio. Essa mudança de postura das mães de hoje em dia, em casa, pode ser resultado do que vem acontecendo em algumas escolas, felizmente. Foi o que houve com Claudia Medeiros, blogueira que comanda o “Se Fosse Na Minha Casa”: “desde que minha filha Luíza tinha seus 4 anos, mais ou menos, e começou a aprender na escola sobre reciclagem e coisas do tipo, passamos a separar o lixo daqui de casa. Começamos de leve e hoje é uma prática cotidiana – vidro, papel, metal e plástico nunca vão para o lixo comum.”, revela.

Luíza parece mesmo ter provocado uma revolução na casa de Claudia quando chegou com suas ideias revolucionárias, e isso mudou a cabeça da mãe de tal forma que o pequeno herdou os melhores resultados disso tudo. Hoje a preocupação desta mãe ecologicamente correta é a de reproduzir tudo o que tem aprendido para o filho pequeno, e conta: “com o Pedro Henrique, que irá completar 4 anos em setembro, não é diferente, ele sabe que os potinhos de yakult, danoninho e etc vão para o lixo separados. Tudo isso é conversado aqui em casa, porque acredito que assim como minha filha despertou minha consciência ecológica lá atrás, eu tenho obrigação de passar isso ‘pro filho menor, que ainda tem muito a aprender, mas já sabe que lixo nenhum pode ser jogado no chão.

 

 Claudia e os filhos, Luíza e Pedro Henrique: consci6encia ecológica de filha para mãe, e de mãe para filho.

E as mudanças vão muito mais além, porque os esforços da família são em busca de um modelo de moradia sustentável. Quer ver? Olha o que andam fazendo lá na casa da Claudia: “aqui em casa temos uma piscina, que é abastecida com água da chuva, usamos a água da máquina de lavar para regar o gramado e marido está criando um sistema de captação da água da chuva para usarmos também para outros fins.” Olha aí! Viu?!

Outro avanço significativo tem ocorrido na casa da Flávia Zocoler, que edita o “Casa da Flá”. Por lá, a postura ecológica está no dia a dia, com os hábitos já tão propagados por aí: separação de lixo, consumo consciente, produção baixa de resíduos domésticos, uso de ecobags, etc. Mas o que chama mesmo a atenção é o costume que Flávia passa ás pequenas de valorizar objetos antigos, digo, o esforço em ensinar a reutilizar objetos que, a princípio, teriam como destino o lixo. “Pensamos em valorizar objetos que têm história, vistos pela meninada de hoje em dia como lixo. Quando fomos comprar o piano da Sophia descobrimos que os instrumentos produzidos antigamente têm um som incomparável aos de hoje em dia. Isso se deve principalmente a madeira usada nesses instrumentos, hoje substituída pelos compensados e similares. Por isso, optamos por um piano da década de 40, carente de cuidados mas com um timbre maravilhoso. Antes da reforma era nosso monstrinho, mas hoje reina absoluto, tendo recuperado sua beleza de outrora.”, explica.

A propósito, já debatemos e concluímos que o lugar de móveis e objetos usados não é o lixo, não foi?! Olha lá, hein?!. Na família da Flávia isso está bem disseminado, e o valor desses objetos com história está cada vez mais reconhecido por lá. “Gostamos tanto da ideia que esta semana adotamos outro “monstrinho”, um Harmônio da década de 30 que com um pouquinho de carinho em breve será o irmãozinho do piano na sala.”, confessa a bonita.

 

 Sophia e Olívia, filhas de Flávia: aprendendo a reconhecer valor no que antes parecia ser lixo.

“Acreditamos que atitudes como essa, de resgatar a produção das gerações anteriores a nossa mostre aos nossos pequenos que o descartável, o mais barato que vai durar pouco, nem sempre é a melhor opção e criem a base para o consumo consciente que precisamos aprender.”, ensina a Flávia.

Tudo isso só vem mesmo contribuir para uma sociedade muito melhor no futuro, porque criança que cresce num ambiente com hábitos saudáveis tende a achar estranho o contrário. É ou não é o começo de uma revolução? E os ecos disso tudo já estão presentes na casa de Ana Carla Benet, blogueira que cuida do “Ana Benet Artes”. Por lá, suas atitudes na educação da filha já deram tão certo, que ambas já trabalham juntas para mudar os hábitos do pai: “Nós, na verdade, fazemos isso juntas, uma controlando a outra, e as duas controlando o pai dela ! Ensinei a não desperdiçar água no banho, enquanto escova os dentes, etc. E quando ela acha que alguém está desperdiçando, me diz: Mãe, temos que conservar a água, fecha depressa !!!!”, revela.

 

Gabriella e Ana Carla: poderosas e juntas no controle dos hábitos do pai e marido.

O fato dos hábitos do passado soarem esquisitos para as crianças de hoje em dia é algo louvável, e o futuro agradece. É pelas crianças mesmo que as mudanças devem passar. “Luz acesa sem necessidade, jogar lixo por aí (fora do local correto), são coisas que ela não tolera. E olha que ela só tem 4 aninhos!”, conta Ana, cheia de orgulho, sobre a pequena Gabriella.

Agora eu pergunto: resta ainda alguma dúvida que somos hoje diretamente responsáveis pelo bem-estar das gerações futuras? Suas atitudes revelam essa preocupação, bonita?!

Mais no Bicha Fêmea…

E a educação? Vem mesmo de berço?

Móveis e objetos usados: lixo? Não. Doação? Sim.

 

42 comentários sobre “Bichas Fêmeas em Debate: filho de ecomãe, ecofilho é?”

  1. Katia Bonfadini comentou:

    Que legal a educação e consciência ecológica que as mãs entrevistadas estão passando pra nova geração! Afinal, o mundo será comandado por eles no futuro e acho que esse tipo de ensinamento e respeito ao mbiente deve começar bem cedo mesmo! ótima iniciativa!!!! Parabéns pela entrevista!!!! Beijos!

  2. Leticia comentou:

    Lidi
    Acho que os exemplos começam em casa sim! Vejo q muitas coisas que faço, foram incutidas na minha cabeça pela minha mãe. E essas são as mais consolidadas e as que mais ficaram.
    A nossa consciência será no futuro a consciência deles. Não adianta a escola passar algumas premissas, se não consolidamos e adotamos em casa. Os exemplos diários se tornam algo para a vida toda.
    Beijos
    lelê

  3. Denise comentou:

    Tem toda razão!!!Aqui em casa já entendemos há muito tempo que educação não é da boca pra fora…tem que dar exemplo! As pequenas reciclam tudo, e isso, com certeza é a sementinha que plantamos, o maridão principalmente recicla tudo que vê pela frente. Apoveitamos embalagens, móveis, tecidos …tudo que for possível! Não dá pra viver num mundo onde se joga tudo fora!

    Cheiros!

  4. Ana Carla comentou:

    A gente deve deixar dois legados: “Um mundo melhor pros nossos filhos” E “filhos melhores para esse mundo !!”

    Aí vai dar certo, né ?

    Bjo

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      O mundo vai dar certo sim, Ana. E pelo que você mostrou da Gabriella, tua parte de deixar filhos melhores para o mundo está sendo muito bem feita. 🙂

  5. Carol Santana comentou:

    Lidi que bacana vc tocar nesse assunto!!!
    Eu sempre tive muito mais “vontade” que mão na massa de fato. Mas em casa ou na empresa onde trabalho sempre tento me envolver com a parte ambiental, mesmo não pesando na pequena que agora tá pra chegar.
    Enfim, na empresa conseguimos fazer levantamento de consumo de energia e campanhas para redução desse consumo, assim como papel e água tb!
    Antes do casamento, na casa da mamis, era um pouco mais difícil… A separação do lixo em casa depende do envolvimento de todos, e como lá a maioria das pessoas estão naquela “zona de conforto com a desculpa da correria do dia a dia” acabava não dando muito certo a coleta seletiva, e a redução de consumo de energia… :S
    Aqui em casa, demos muita sorte, porque a coleta seletiva da prefeitura passa duas vezes por semana, e diariamente tem um senhor que recolhe material reciclável (quando é assim dá trabalho, porque eles acabam fazendo uma certa “lambança na frente de casa”, mas enfim…) e acabo conseguindo separar vidros, plásticos, papeis… E logo que mudamos descobri tb que aqui em campinas tem uma empresa que recebe isopor (sabe aqueles pedaços imensos que vem em geladeira, fogão, etc… e que dói o coração de jogar no lixo comum?) para reciclagem… 😀 Super bacana!
    E a lembrança da pequena (esse será um pequeno passo, mas pra mim já é válido), será uma caixinha de papel, com confeti de chocolate dentro. Depois que a pessoa comer pode jogar a caixinha fora sem nenhum trauma, afinal é produto reciclável! 😉
    Eu sei que poderia fazer muito mais, como por exemplo usar fraldas de tecido, mas a principio usarei as descartáveis mesmo. Farei o teste com uma de tecido pra ver o resultado, mas não tenho ninguem que me ajude em casa, e ficar lavando fralda deve matar a pessoa, pensa? (e tb tem seu impacto, né?)
    Ai querida, me empolguei, mas adoro o assunto!!! 😀
    Bjocas,
    Carol

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Carol, eu acho o máximo quando você se empolga e escreve beeeeem muuuuito! Empolgue-se mais e mais, viu? 😉

      Ah! Sabe que na casa da minha mãe a consciência ecológica ainda não chegou? É mais ou menos como na casa da sua. As pessoas alegam falta de tempo, blá blá blá…

      Eu acho que essa consciência é algo de nosso tempo mesmo, sabe? É a nossa geração, que está se tornando mãe, que pensa nessas coisas. Essa preocupação não existia antiamente, e por isso nossas mães ainda “não entraram no clima”. Penso que cabe a nós mesmas virar esse jogo daqui ‘pra frente.

  6. Flávia comentou:

    Oi Lidi

    Acredita que escrevi um monte aqui mas deu um erro… rs isso me fez lembrar de como refazer é ruim. Por isso sempre ensinei meus filhos que quem faz mal feito tem que fazer 2 vezes, então é melhor fazer direitinho da primeira vez, rs. Eu esqueci de colocar meu e-mail e quando cliquei em deixar o comentário perdi tudo.

    Mas fiz questão de comentar pois sei o quando o assunto é sério. Devo admitir que não sou o melhor exemplo pra esse assunto, as vezes me pego na dúvida o que jogar onde sabe? Infelizmente muitas pessoas tem dúvidas do jogar ou não no lixo, embora o que mais temos é informação a respeito.
    Meus filhos aprenderam na escola e trouxeram pra casa novos hábitos. Hoje temo um lixo reciclável separado e é colocado na rua somente de quinta feira, juntamos tudo durante 1 semana e depois o caminhão de lixo reciclável passa e leva das casas.
    Dá trabalho mas é prazeroso ver o dever sendo feito! É uma satisfação cuidar do planeta.
    Tem uma frase bobinha , mas eu gosto que diz que quem não vive para servir não serve para viver.
    O mais interessante é que estamos fazendo isso em causa própria pois os benefícios serão nossos no futuro.
    TEnho o hábito de escovar os dentes com a torneira aberta.. é hábito e meu filho quando vÊ ele logo me corrige. Estou tentando abandonar esse e outros hábitos errados e aos poucos vamos mudando o planeta!

    bjs e obrigada por compartilhar esse assunto tão importante!
    Flávia

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Vixe, Flávia! Já perdi muitos comentários longos por algum erro que ocorria na hora de enviar. Sabe o que aprendi a fazer desde então? Depois que escrevo, antes de clicar no botão de enviar, eu dou um Ctrl+C. Assim eu garanto que se algo der errado, o que escrevi foi copiado. 😉

      E sobre o que comentou, penso que a sensação de estar fazendo algo legal, como as atitudes ecologicamente corretas, é tão boa e prazerosa, que tudo isso faz muito melhor a gente mesma do que a qualquer pessoa. 🙂

  7. Rosi Costa Caleffi comentou:

    Lidi

    Acho importantíssimo essa educação, baseada em valores que servirão para o dia a dia e para o mundo.

    Conheço uma escritora infanto-juvenil, Patrícia Secco, que em suas obras aborda valores de cidadania. Ela acredita que é pelas crianças que se atinge um adulto, ou seja, um adulto sempre para pra pensar se uma criança o adverte se ele joga papel no chão, por exemplo. E a criança com seu jeito, ingenuidade/sabedoria consegue atingir o adulto de uma forma sutil, mas muito eficaz.

    Acredito que todos os pais e educadores devem incentivar as crianças com atitudes e exemplos, além de oferecer leituras com esses temas. A criana é realmente uma tábua rasa, portanto cabe a nós inserir ali valores construtivos.

    Adorei a presença das blogueiras.

    Um ótimo dia.

  8. Simone Scharamm comentou:

    Oi, Lidi,
    Esse post é muito bacana! Todos precisamos dessa orientação. Consciência ecológica é acima de tudo informação! Eu sempre fui chamada de “Rainha da Sucata”, rsss, por reaproveitar embalagens e criar novas utilidades pra elas! Um dia desses, a minha caçula teve uma aula sobtre reciclagem na escola e disse pra professora: _ A minha mãe sempre faz reciclagem, tia, ela está ajudando o planeta! rss
    Parabéns às mamães que estão “fazendo a diferença ” nesse lindo post de hoje!
    Um beijo!

  9. Vivian comentou:

    Maravilhosa essa matéria. Aqui em casa sou o “sargentão” dos hábitos saudáveis, não deixo desperdiçar nada, comida, água, luz elétrica, compra desnecessária de brinquedos, separamos o lixo, reciclamos e doamos. Td pra diminuir o impacto na natureza. Com essas medidas minha filha tem plena consciência do que deve fazer no dia a dia pra ter um mundo melhor
    bj

  10. beta comentou:

    Olá!!!
    To chegando para informar que o Mix agora é .com!!!
    Todo o conteúdo do Mix para você, com mais comodidade e profissionalismo!!!

    Mude seu link ok?
    http://www.mixculturainformacaoearte.com

  11. Claudia Medeiros comentou:

    Oi Lidi! Adorei o post, adorei ter sido convidada pra participar. É muito legal que as famílias estejam incorporando novos hábitos e passando isso pros filhos, assim como é bem bacana que as escolas também estejam engajadas neste assunto. Se no passado, todos fomos inconsequentes, porque achávamos que tudo duraria para sempre, ainda dá tempo de mudar isso e deixar um mundo melhor para as novas gerações.

    Ah, mas sabe o que irrita muito? Gente que joga lixo nas ruas! Fala sério, existe alguma explicação pra isso?

    Beijocas

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Claudia, nem me fale desse povo grosso, tosco, mal educado e sei lá o quê, que joga lixo na rua. Falta palavras para descrever uma criatura assim… aff!! 🙁

  12. Simone comentou:

    Oi Lidi,

    Não tenha dúvida que o exemplo fala MAIS alto que as palavras. E não estou me referindo somente ao fato Ecologia, mas sim em tudo. Muitas vezes, vemos coisas erradas acontecendo na sociedade por falta de um bom exemplo e principalemente pela degradação da família, que é a primeira escola.
    Belo post,
    Beijos, Si

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Pois é, Simone. A educação, de um modo geral e feita através de exemplos, foi justamente a que foi bastante discutida no Bicha Fêmea antes (http://www.bichafemea.com/2009/11/16/e-a-educao-vem-mesmo-de-bero/)

      Parece que no corre corre de hoje em dia as pessoas não se dão conta de que as crianças estão ali, ao nosso lado, aprendendo tudo o que vêem. Por isso, acho importante a gente trocar ideias sobre isso, relembrar isso. Quando eu for mãe, quero estar com essa convicção na minha cabeça o tempo inteiro, para medir minhas ações. Educar uma criança é uma responsabilidade tremenda, não é?

      1. Simone comentou:

        Quando você for mãe ensine seu filho a ler rapidinho para ir aprendendo coisas boas através do Bicha Femea, rsrsrs

        1. Lidiane Vasconcelos comentou:

          …kkkkkk… 😀
          Gostei dessa dica hein, Simone! 😉

  13. Mila Viegas comentou:

    Como Bióloga de formação me vejo na obrigação de educar o meu filho neste sentido através de atitudes básicas, é o mínimo que podemos fazer como mães.

    Parabéns pela bela matéria!
    beijos

  14. Rose comentou:

    Olá meninas, saudades ando tão ocupada que meu dia tá faltando horas aiaiaiai
    Sabe que gostei da ideia de usar a agua da chuva pra piscina to querendo por uma aqui em casa e a primeira coisa que o maridex falou foi exatamente isso a conta de água vai subir…rs
    O lixo reciclável já é uma postura normal aqui em casa já faz algum tempo tenho 2 lixeiras uma pra lixo orgânico e outra pro lixo reciclável. Agora comprei mais uma pra colocar o resíduo que sobra na maquina de suco pra fazer compostagem…to fazendo a minha parte pra salvar o planeta e de quebra os filhotes estão seguindo o meu exemplo já aprenderam a separar o lixo…Bjinhus!!!

  15. Ana Carla comentou:

    O que a Carol disse acontece aqui em casa tb ! Passa um pessoal fazendo “coleta seletiva” 2 vezes na semana aqui no condomínio, eu deixo separado, mas eles insistem em vasculhar meu lixo … e nem sempre deixam como estava.
    Mas sabe que nem reclamo, já é bom demais ter a coleta seletiva !!! Aproveito para entregar o óleo de cozinha usado, já que ME RECUSO a jogar no ralo da pia ! Isso não se faz, né gente.

    Bjo

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Ana, esse inconveniente causado por alguns catadores quando resolvem revirar o lixo na frente de casa acontece mesmo, infelizmente… humpf! Já vi alguns fazendo isso em frente ao prédio onde eu morava em Campinas… 🙁

  16. isabela Kastrup comentou:

    Lidi, que máximo esse post. Muito bacana a iniciativa dessas blogueiras super conscientes. Ainda não tenho filhos, porém esse ano quero engravidar e pretendo sim ensinar isso aos meus filhos e aprender com eles tb, não só como preservar, economizar, reaproveitar, mas em tudo! Acho que a melhor forma de educar é dando exemplos mesmo. Parabéns para todas e por você também pela bela iniciativa!
    Ah, menina, outro dia estava abrindo umas caixas do ateliê e eis que encontro um presentinho que estava separado há anos para te dar, aff, surreal! Vou mandar para vc. Continua no mesmo endereço? Se afirmativa a resposta eu já tenho no meu mailing.
    Um beijo
    Isa

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      …kkkkk…
      Isabela, criatura!
      E agora que nem lembro mais se quando você pediu meu endereço eu estava em Campinas ainda, ou se já tinha vindo para Sumaré?! 😮

      Vou te atualizar por e-mail, tá?! 🙂

      Beijos!

  17. Priscila comentou:

    Oi Lidi, adorei esse post, eu sou prova viva de que essa consciência vem de uma boa educação, como costuma dizer minha mãe: “costume de casa vai à praça” rsrs, desde pequena minha mãe me ensinou a não jogar papel de bala no chão, lembro que quando nós saíamos e estávamos em algum lugar público ou no meio da rua, quando voltava pra casa a bolsa da minha mãe estava cheia de papéis de bala, ela pedia para eu entregá-la já que não tinha lixeira no local, então sempre cresci com essa imagem, hoje procuro economizar, água e energia sempre, uso a água da lavagem de roupa para jogar na calçada e tirar a terra que acumula, não lavo calçada com mangueira, é um desperdício enorme, a água da lavagem do arroz uso nas plantinhas da minha janela, nas outras plantas maiores coloco água das roupas, quando não tem sabão na água, o resto de óleo junto em garrafas pet e entrego para uma vizinha que tem uma avó que faz sabão como antigamente, através do óleo, sempre ganho um pedacinho do sabão que é ótimo para limpeza pesada na cozinha, ainda economizo no sabão,kkkk, e assim vou tentando fazer a minha parte e como a minha mãe passarei para meus filhos!!!!
    Bjs….

  18. Adriana Pimentel comentou:

    Oi Lidi!!!

    Tô passando pra justificar minha ausência… Mesmo longe com o tempo corrido… estou por aqui certo!!! Só tem umas pendências pra resolver, mas sempre que posso faço uma visitinha aos amigos!!

    E com relação ao texto!! Sim exemplo é tudo! Educação e principalmente os valores, pois parece que cada vez mais eles estão desaparecendo não acha!!! E sempre afirmo: Este espaço é maravilhoso para que possamos continuar despertando ou até mesmo reascendedo aguns valores e interesses nas pessoas…

    Enorme abraço! Lindona!!!

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Oi, Adriana!
      Surpresa boa receber sua visita “bloguística”. 🙂
      Mas, oh! Não tem por que se justificar de nada, mulher! Quem é que não tem suas ocupações que, ás vezes, pegam a gente de jeito e nos tira de nossa rotina? Relaxe! Quando as coisas normalizarem, a vida “bloguística” volta ao rumo corriqueiro também. 😉

      Beijos

  19. Elaine Barnes comentou:

    É isso.Pais aprendem com os filhos e vice-versa. A consciência ecológica é rica,um legado que não tem preço a todo o planêta. Eu reciclo o lixo,economizo água,luz,faço doações de móveis e já peguei fruteira…Escadinha que estavam na rua,reformei e faço uso delas.Minha filha faz o mesmo e com um bebê de 6 meses usa fraldas de pano. Pesquisa,importa caças enxutas e fraldas especiais que tem o mesmo efeito das descartáveis e não polue. Usa as descartáveis só pra sair.Cada um fazendo sua parte o planeta agradece. Adorei todo o post. Montão de bjs e abraços

  20. Pensandoemfamilia comentou:

    Gostei de conhecer seu espaço, seus textos tão educativos. Escreve com ojetividade sobre o que pode fazer deste mundo um lugar melhor .
    Educação começa no berço e vai as atitudes cotidianas.

    Norma

  21. Ana Alice Silva Lopes comentou:

    Amei!!!!

    Que os ventos levem e espalhem esta semente para todos os cantos do mundo.
    Nos, daqui de casa, agradecemos tamanho exemplo.
    Vale apena cntinuar a crer no ser humano.

  22. Anna comentou:

    Também acho que os exemplos vem de casa, desde pequena ensinei a minha filha o que meus pais me ensinaram e espero que assim continue.
    Beijos

  23. edilaine comentou:

    Com certeza, educação vem de berço! É na prática do dia a dia que eles vão compreendendo alguns conceitos. Nota 10 pra esse post.

  24. yvone comentou:

    Você sempre debatendo assuntos importantes e mostrando os exemplos.
    Os pais definitivamente influenciam os filhos em muitas coisas. A educação vem do berço e a falta dela também.
    Fico muito orgulhosa em ver tantas mamães por aqui conscientes e preocupadas em preparar os filhotes para os “novos tempos”.
    Parabéns Lidi seus posts são sempre impecáveis.
    bjk e linda semana

  25. Tri comentou:

    Oi Lidi,
    Amei o post e acredito sim que as mães possam influênciar as crianças positivamente. E penso também que o colégio ajuda muito também. Mas também acredito que as crianças de hoje estão mais autonomas e tem mais voz ativa e conseguem transimtir melhor seus pontos de vista, isso porque os pais de hoje são os pais que não tinham tanta voz ativa perante aos pais antigamente. Vejo pelo meu ex. minha mãe me ensinou algumas coisas … ecologicamente corretas sim… mas certas coisas foi por pura insistencia minha (pois ela não era tão aberta a me compreender/ser convencida de certas coisas qdo eu era criança)… hoje é diferente ela me escuta. Mas penso que essa é a evolução da vida mesmo… Contanto que hoje as crianças tem poder de compra, são contabilizadas na formação do mix bens de consumo de uma família. E por isso mesmo é importante a conscientização desde cedo. Pois elas serão bombardeadas com um consumismo desenfreado pro resto da vida!
    beijo
    Tri

  26. Pingback: Peripécias de uma mãe desesperada…
  27. Trackback: Peripécias de uma mãe desesperada…
  28. Pingback: A educação das mulheres e homens de amanhã
  29. Trackback: A educação das mulheres e homens de amanhã
  30. Pingback: Seu filho ama os livros?
  31. Trackback: Seu filho ama os livros?
  32. Pingback: Sustentabilidade na casa de cada uma de nós: é possível?
  33. Trackback: Sustentabilidade na casa de cada uma de nós: é possível?
  34. Pingback: Mães trabalham muito e ficam menos com os filhos: e daí?
  35. Trackback: Mães trabalham muito e ficam menos com os filhos: e daí?
  36. Pingback: Quando alguém te pergunta se você quer filhos...
  37. Trackback: Quando alguém te pergunta se você quer filhos...
  38. Pingback: Desejos de mãe não deveriam ser só desejos, certo?
  39. Trackback: Desejos de mãe não deveriam ser só desejos, certo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *