Início » Comportamento » Do Que A Boa Conversa Pode Fazer Por Um Casal.

Do Que A Boa Conversa Pode Fazer Por Um Casal.

Esse negócio de trololó no Bicha é mesmo tudibom porque um comentário dito aqui, outro escrito ali, uma coisa que puxa a outra, que leva a um “fio de meada” e… pronto! Mais um assunto “pano pra manga”!

Digo isso porque esse post saiu a partir de um comentário feito pela Fabi, do blog “Favas a Contar”, naturalmente um elogio que me deixou serelepe e saltitante, mas também me fez voltar um pouco no passado e fazer algumas reflexões sobre o futuro. Na ocasião em que escrevi neste post sobre as mudanças visuais no Bicha, e citei que havia colocado uma foto minha no perfil, a Fabi observou:

“…Maridão soube escolher bem,hein? :) Adorei a foto, Lidi!q Está linda!…”

DSC02331 Sabe por que refleti através dessa observação? É que marido e eu nos conhecemos pela internet, num desses chats da vida internética, e só nos conhecemos pessoalmente três semanas depois. Nos dias que antecederam o nosso encontro “olho no olho”, conversávamos ao telefone até “altas horas” e trocávamos muitos e-mails mas, creia, jamais trocamos fotos ou descrições físicas um do outro. No dia do encontro fomos “ás cegas” e somente minutos antes, quando já estávamos a caminho, perguntamos um ao outro sobre nossas roupas. Ou seja, em momento algum os atributos físicos de ambos foram razão para nossas escolhas de um pelo outro. Nos escolhemos mutuamente pelo prazer que um proporcionava ao outro nas conversas diárias, apenas isso. Deve ser por isso que costumo dizer que o cérebro do marido é lindo, antes de qualquer outra coisa.

Tenho cá comigo alguma desconfiança de que a gente colhe o melhor de um relacionamento se nosso homem nos escolher pela nossa essência, e a gente a ele, em detrimento de tudo o mais. Acredito nisso de verdade.

welcometoseniorhood.com Quero dizer com isso que nossos cuidados com a beleza e corpo são dispensáveis? Absolutamente! A gente que é bicha fêmea esperta sabe muito bem o quanto um bicho macho é “visual”, néam? Então não trata-se aqui de fazer louvor ao discurso do embarangamento. Não mesmo! Sem querer cair no lugar comum, digo que “beleza não põe mesa”, ou põe… mas, e depois? E quando a gente envelhece? Como se sustenta um relacionamento sólido, de anos, se não for pelo prazer genuíno de um ter a companhia do outro e de conversar?

Posso falar? Sinto um prazer arretado quando lembro que fui escolhida pelo meu cérebro, e pela minha essência, e não pelo resto bonetenho que, talvez, eu possa ter… quando eu olhar no espelho e vir que naturalmente minha pele estará perdendo o viço, isso será (sim) muito reconfortante.

Imagem: Welcome To Seniorhood.Com

As bichas fêmeas falam…

Achei ótimo o que a Lívia, do blog “Coisas da Liv’s”, colocou no comentário. Depois de ler este post, ela me perguntou:

“…Você conhece um texto chamado “Tenis x Frescobol”, do Rubem Alves? Eu li pouco tempo antes de conhecer o meu marido e sonhei 1 dia antes de conhecê-lo que estávamos jogando frescobol… Tudo a ver com seu post…”

 

E a Lívia está certíssima. Tem tudo a ver com o post e, quando eu o escrevi, nem lembrava que eu já havia lido. É um texto bastante interessante onde o autor faz a comparação entre o casamento e duas modalidades de esporte: o Tênis e o Frescobol. A comparação faz muito sentido e é um alerta para quem conduz o casamento como quem joga uma partida de Tênis. Fica a sugestão de leitura porque, de fato, vale a pena. Onde? Aqui!

Mais no Bicha Fêmea…

Há vida após o casamento?

Quando a gente resolve se casar…

Enteado a vista no casamento: e agora?

Casamento é parceria?

Já não há homens como antigmente? Que bom!

65 comentários sobre “Do Que A Boa Conversa Pode Fazer Por Um Casal.”

  1. Beta Bernardo comentou:

    Lidi, nossas histórias são parecidas!!!
    Eu tb conheci marido pela net (esse vai ser um post na semana do nosso niver de casamento, não vou me estender), mas trocamos fotos antes do encontro. Mas tb sempre conversamos muito, mas nem tanto por tel, ele não é chegado.
    Coisas boas que a tecnologia nos traz. Mas esse enredo eu conto melhor em outubro! 😉
    Adorei esse post. E realmente, ser interessante além da aparência é muito bom!!! Ele realmente soube escolher!! E acertou em cheio até no que não viu!! ;))
    Bjks, Beta

  2. ozenilda comentou:

    Que coisa mais linda, tô emocionada, Lidi.
    😉

  3. Cláudia Ramalho comentou:

    Ai, que lindo! Que romântico!

    Eu que passei o dia todo, baixando múscias que tiveram a ver com a minha história com Mário (pois vamos fazer 10 anos de casamento mais 4 de namoro) e passei o dia scaneando fotos de nossa história pra fazer o fotolivro… estou particularmente romãntica e suscetível a suspirar num post como esses.

    Que bom para vcs. Espero que fiquem velhinhos bem juntinhos iguais aos da imagem que vc postou.

    Um abração!

  4. Fabi comentou:

    Lidi, concordo plenamente com você, mas devo admitir que sempre fui meio medrosa com encontros virtuais. Achava estranho não olhar olho no olho. Não é nem a questão estética, que ajuda, mas não garante, mas a coisa de sentir a vibração, ver os gestos, algo mais sensorial, sabe? Hoje, pelo blog e as amizades que tenho feito, acho que não dá para ter mais preconceito quanto à relacionamentos virtuais, mas ainda continuo gostando do contato físico.:) E mantenho meu comentário, você é bonita, bicha! E mesmo não interessando e nem mudando em nada para nós duas este fato, é fato, e pronto! Vou plagiar uma frase que li outro dia na internet sobre design, adaptando p/ este contexto: a beleza pode não mudar o mundo, mas que é bom de se ver, a isso é! 🙂 ( a frase original era mais ou menos assim: o design pode não mudar o mundo, mas que é bonito de se ver, a isso é!)
    Beijão, Fabi.

  5. Nani Veiga comentou:

    Estou com você,e não abro,é muito importante esse entrosamento,essa sintonia…
    Minha história é estranha e quando acontece os encontros familiares mesmo depois de anos sempre vem a tona o assunto,explico :Estranha porque sonhei com o nosso convite de casamento 3 anos antes,é dificil de acreditar,mas na ocasião eu contei para muita gente,enfim 3 anos passaram e nos encontramos por acaso e aí você já sabe não desgrudamos mais….
    O engraçado de tudo é que o nome do meu marido é muito diferente e geralmente quem o tem é pessoas de idade,então ao sonhar com o convite e falar o nome para as pessoas,ouvia muitas piadinhas,e eu realmente não ligava e nem queria saber como seria a aparência dele…
    No fim o que importa é o amor,a amizade,o respeito, companheirismo e cumplicidade….
    Esse post me fez lembrar,e lembrar essas histórias de amor,faz tão bem para alma,para o relacionamento,para a vida.
    Beijão
    Nani

  6. Elaine comentou:

    Olá!
    Sabe que eu sempre achei que casamento que começa baseado na aparência termina por causa dela também? Até por que, por mais que a gente cuide, um dia tudo cai…em nós e neles rsrsrs
    Beijos e boa noite.

  7. Aline comentou:

    Oi Lidi!!!
    Que história linda!
    Acho que uma boa conversa sempre valeu mais que qualquer produção, afinal, de que adianta ser gatona se não há nada inteligente a acrescentar?
    Também conheci maridão pela net!!!

    Beijokss

  8. Fátima comentou:

    Ótimotexto Lidi!
    Eu sempre fui gordinha e me lembro que nunca voltei de uma festa sozinha. Minhas “amigas” sempre reclamavam e comparavam nossas formas físicas e falavam: -Como pode?
    Eu sempre respondia: – Pensa minha filha, pensa!
    Elas nunca entendiam.
    Bjs.

  9. Rejane Batista comentou:

    Oi Lidi! E que história bonita! E casal também! Prova que pode dar certo os encontros na net, o que não acreditava.
    O interessante é que vocês aprenderam se conhecer no papo mesmo, então todo o resto fica mais fácil, pois num bom relacionamento, o diálogo é fundamental.

    Felicidades para vocês.
    BeijOs.

    Rejane.

  10. yvone comentou:

    Quanta modéstia amiga…já passa de uma da manha, no final de semana venho aqui deixar meu coment sobre esse post
    bjk

  11. Nana comentou:

    Eu sempre falo, imagina o que seria do preto se não existisse as outras cores, todas nós somos diferentes e não adianta copiar, temos que ser originais e outra, gosto e bumbum cada um tem o seu!!!
    hehehe
    Flor, bom final de semana para ti.
    Bjsss

  12. Michelle comentou:

    Afe!!! Assim vc me faz chorar!!! rs rs!! que história mais linda!!! Também acredito que a aparência fica em segundo plano, pois o que importa é cumplicidade, amizade, respeito e principalmente amor, que leva a todas as outras coisas.

    Como a Fátima disse, tmb estou gordinha e por causa disso todo mundo acha que meu marido é gordinho tmb, sempre se surpreendem com ele, e eu fico todo orgulhosa de saber que “aquilo tudo é meu” rs rs rs

    Beijos, ótimo findi, nesse clima romântico vou aproveitar o friozinho pra pedir e fazer mto cafuné!!!!

  13. Leticia comentou:

    Concordo com você que diálogo é tudo! Eu considero meu namorado/noivo/namorido meu melhor amigo. Acho que só com ele consegui alcançar um grau de intimidade tal para contar coisas que antes só contava para o espelho. rssss.
    A minha terapeuta fica super “assustada” (no bom sentido) com as nossas histórias. Diz que aprende muito sobre relacionamento comigo (isso é um super elogio!).
    Mas a sua história é muito parecida com de uma amiga minha… que está casada, feliz, a quase 4 anos.
    Beijo!

  14. Fabiana Correia comentou:

    Que lindo texto Lidi.
    Sempre tive problemas com o envelhecer, nao sei porque, mas é complicado e as vewzes insano pensar isso.
    Eu me cuido apenas o basicão, sempre sei que falta um pouco mais, mas a vida as vezes não nos oferece certas regalias.

    Quando conheci o meu marido, passamos um ano nos paquerando, era muito engraçado, eu sempre achei ele inteligente, amoroso, tinha um papo legal, e isso me afeiçoou a ele, já que bonito, lindo, perfeito ele não era, à vista dos outros, porque pra mim ele sempre foi lindo e especial.

    Meus irmãos brincavam e tiravam onde comigo sobre ele: “uma menina tão linda, pode arrumar coisa melhor”, mas pra amim ele sempre foi o meu melhor. E não fiz uma má escolha de adolescente, estamos juntos/casados/namorados há mais de 15 anos, e isso me deixa extremanente feliz.

    Não passo um só dia sem dizer a ele o quanto ele é lindo e o quanto eu o amo.

    Quando o dia está bom, sem chuva, vamos trabalhar de moto, e Conversamos até na garupa, voltando do trabalho, é uma conversa sem fim, um trololó só.

    É assim, nascemos um para o outro, mesmo com nossos defeitos.

    Ai, como eu falo aqui viu? Acho que é o blog onde eu mais me abro, nem no meu converso tanto, rsrs.

    PS: Mas a Fabi falou certo, o maridão escolheu bem, em todos os sentidos, rsrs.

    Bjsss

  15. Elaine Battistel comentou:

    Lidi, adoro ler seus textos, mas não páro por aí…eu leio cada um dos comentários mesmo que sejam muitos. E me chamou atenção que o cyberespaço tem agido cada vez mais como cupido, olha só as amigas que como você conheceram o namorado através dele. Achei super interessante isso, talvez pelo fato de achar que comigo isso nunca aconteceria pela net, sei lá, pq sou desconfiada demais…
    Outra que me chamou atenção foi a Fabiana Correia que mencionou as brincadeiras sobre ela poder arrumar coisa melhor em termos de aparência. Puxa, ouvia também essas “brincadeiras” e confesso que me irritava muito com isso, o engraçado é que irritava a mim e não a ele.
    Eu e meu marido conversamos muito, muito, muito sobre tudo que se possa imaginar. Nestes 20 anos que estamos juntos, difícil é me lembrar quando brigamos pela última vez, pq logo no começo combinamos que se algo nos incomodasse resolveríamos no mesmo dia. Nada de dormir de bode um com outro…coisa nossa, que funciona conosco.
    Algumas vezes até dizemos por brincadeira que nosso casamento é tão calmo, que precisamos agitar uma briga, uma adrenalina…mas brincadeiras à parte, essa calmaria me conforta pois tb se traduz em cumplicidade e confiança. Quando imagino o futuro, imagino com ele, nós dois mais velhinhos…

  16. fátima comentou:

    vc tem toda razão. não adianta nada embelezar o físico se o intelecto não segura a onda, né?

    bonita a sua história!

    bj

  17. rosi costa comentou:

    Lidi, quando li esse post sabia que os comentários iam render. E eu estava certa. Tb com uma história dessas…adorei.
    Adorei a maneira suave e gostosa que contou. Adorei a foto (vc sabe como eu gosto de fotos, não é mesmo, rssssssss). Adorei saber que vcs não se importaram com o olho no olho, mas sim com o coração. E isso é amor demais. Que lindo, minha amiga. Vc é mesmo iluminada!
    Tomara que essa relação seja sempre assim, forte e verdadeira.

    Um super beijo no coração dos dois.

    Ah, como de costume hoje lá no Mundinho tem entrevista especial. Passa lá.

  18. Priscila comentou:

    Lidi querida, que história linda, parabéns!!!!

  19. Fabiana Correia comentou:

    Obrigada pelo carinho e pela atenção!
    Bj

  20. Denise comentou:

    Lidi, tô assustada aqui. Não sei se foi um déjà vu, mas juro que tinha lido esse seu post de ontem (dia 27). E não tinha entrado aqui ontem. Poxa, agora assustei! hahahahahahaha

    Linda sua história! E tem algo que satisfaça mais do que ser escolhida por sua essência, pelo que é? Sinceramente, era o que eu mais queria (quero) nessa vida. Ser aceita como sou e estabelecer um vínculo que vá muito além da atração física, mas uma atração de almas mesmo.

    Parabéns! Fico feliz quando vejo alguém ser amada pelo fato de ser quem é, sem julgamentos artificiais. Vocês formam um belo casal.

    Qto à história da sua irmã (e o cheiro) acredito piamente que seja sim uma visita. Olha, tenho muitos casos assim na minha vida e sempre fui muito ligada a cheiro. Várias vezes senti o perfume específico de alguém e as outras pessoas do ambiente não sentiram. Já fiz até testes neurológicos para ver se não era algum estímulo a mais na área cerebral responsável pela identificação de cheiros. Não adianta, têm coisas que não se explica…apenas se vive. Quando a saudade bater e machucar, lembre-se de que sua irmã fez um esforço ao passar e deixar o perfume para acalentar sua alma.

    Beijos

  21. Claudia Medeiros comentou:

    Lidi, concordo totalmente com tudo o que vc escreveu. Eu sou mais antiga e conheci marido pelo método tradicional – em uma festa.kkk
    Mas, ele sempre me diz que hoje, eu estou muito melhor do que quando era jovem e mais, que o que o conquistou foi minha conversa e bom homer, então tá, né? Vou reclamar do que, hã?

    Beijs e bom fim de semana

  22. Fla comentou:

    Que lindo.
    Eu também conheci meu marido através do meu cérebro…rs..rs. Mas éramos amigos, aliás fizemos uma turma de amigos. E no dia que nos conhecemos eu o achei criança demais…hahaha. Pra você ver né, 1 ano depois larguei tudo para ficar com ele. E estamos juntos tem 4 anos.
    E tem gente que ainda diz que internet é coisa de gente que não tem o que fazer… ai ai ai viu!
    Linda história a sua!
    Beijão,
    Fla

    p.s. adoreiiii o comentário da Fátima…hahahaha

  23. Isabela Kastrup comentou:

    Que lindo e inspirador, Lidiiiiiiii!
    Sabe que isso tem se tornado raro ultimamente, né? Os homens, acho que as pessoas de um modo geral têm valorizado demais a aparência e deixado de lado coisas muito mais importantes, como a essência, o coração e a inteligência. ADOREI!!
    Super beijo,
    Isa

  24. Livia comentou:

    Oi, Lidi!
    Obrigada pela visitinha!
    Eu nunca tive um blog chamado “O Anjinho e a Bonequinha”, aliás, sou nova aqui na blogosfera, rsrs.
    Você conhece um texto chamado “Tenis x Frescobol”, do Rubem Alves? Eu li pouco tempo antes de conhecer o meu marido e sonhei 1 dia antes de conhecê-lo que estávamos jogando frescobol. Tem este texto aqui ó: http://www.rubemalves.com.br/tenisfrescobol.htm. Tudo a ver com seu post.
    Gostou dos meus crafts? As mudanças tem a ver com mudanças de vida e o craft significa para mim trabalhar com prazer e alegria. Eu uso a Madalena em um ombro só, mas às vezes fica difícil pegar alguma coisa lá no fundo, rsrs.
    Beijos…..

  25. Veronica Cobas comentou:

    Lidi,

    Depois que li o teu post fiquei, como sempre, ruminando todas as imagens, reflexões, lembranças e pensamentos que me vieram à cabeça durante a leitura. Faço sempre isso. E é nessa grande sopa de vastas emoções e pensamentos imperfeitos que flui meu olhar sobre o que vivo, o que leio, o que sinto, o que espero.
    Enfim, gostei de te ler contando isso. Talvez porque professe pensamento semelhante. Acho mesmo que a questão do conteúdo é a verdadeira chave do enigma. É fogo e lenha; equação e solução. Acho, contudo, que nessa coisa mágica da paixão que semeia amor entra sempre um quê que flui em outras áreas além do que é explicável. Tem um clique que voa por aí, tal qual vírus errático. E um dia chega, te morde e se estabelece. E até se entusiasma com um visual ou um quê de sedução mais quente, menos expresso em palavras e mais em gestos erotizantes. Mas, sim, é no conteúdo que a construção se ergue e agiganta. Também foi assim comigo, se você me permite contar. Na verdade, sempre fiz questão de fazer do que carrego dentro o meu melhor cartão de visitas. E tê-lo como uma porta de entrada agradável e sedutora, será sempre a minha maior conquista.
    Gostei demais desse teu post, menina. bjs. Veronica

  26. Lidiane Vasconcelos comentou:

    Obriada, Rejane! 🙂

  27. Lidiane Vasconcelos comentou:

    Ah! Então está bem, Yvone!
    :*

  28. Aline comentou:

    hahahaha…. sou sim…
    E por isso vim morar no Rio, para ficar com maridão!! Sou de Minas..
    Beijão

  29. Luci comentou:

    Coisa boa isso hem?
    No mundo real a grande maioria se aproxima pelo visual, mas se não tiver conteúdo não segue adiante para um relacionamento sério e duradouro. Mas como estão valorizando cada vez mais o visual, homens e mulheres, estamos vendo relacionamentos se desfazendo a todo momento.
    Já no virtual, o que vai aproximando cada vez mais é aquilo que a pessoa tem para dar. Até mesmo na amizade, pois gente vazia….

    Essa foto dos lindões está lindona!! 😀

  30. Andréia comentou:

    Oi Lidi… e que linda sua história de amor… como é bom poder pensar que o mundo não tá totalmente perdido, não… e que as pessoas podem muito bem serem felizes e se amarem sem se escravizarem e nem tornarem o outro escravos da ditadura da beleza… é uma linda forma de certificar que o amor é cego sim e isto o torna ainda melhor… adorei saber sua história… beijosss

  31. Liliane comentou:

    Fiquei encantada com sua história… E a palavra é essa mesmo: encantada. Porque sou romântica.
    Porque a palavra me seduz muito mais do que a imagem.
    Porque quando se escreve (ou “tecla” rsrs), os sentimentos vêm à tona na escolha das palavras, no jeito de encadeá-las, no ritmo que está implícito, no quanto é escrito…
    Eu mesma já vivi uma situação semelhante à sua… Acredito que eu e este meu “parceiro” virtual somos o que se poderia chamar de almas gêmeas… Na primeira vez em que teclamos no MSN viramos a noite (foram mais de 8 horas teclando!!!!), e a “única” coisa que desviou nossa atenção foi a claridade do sol entrando pelas janelas dos respectivos quartos… rsrs
    Vivemos um breve romance, que foi lindo e efêmero… mas acabou. Mas o fim não levou consigo o encantamento, o carinho, a admiração, e tudo o mais de lindo e bom que sentimos um pelo outro. E vc e o marido já são (e certamente serão sempre!) muito felizes, pois não há nada melhor do que viver nossos dias ao lado de quem gostamos de conversar, de quem comunga com nossa essência…
    Bjs,
    amei tudo por aqui, parabéns!!!

  32. Pingback: Fim de semana é um tempo bom para se autopresentear… | Bicha Fêmea
  33. Trackback: Fim de semana é um tempo bom para se autopresentear… | Bicha Fêmea
  34. Júlia Vieira comentou:

    Lidiane,

    Não sei porquê mas só hoje este texto veio parar às minhas mãos, Primeiro fiquei a ter uma ideia mais clara de como você é por fora claro, porque por dentro semprea achei o máximo. Desde que ando por este mundo da blog e você sabe que foi o primeiro blogue que eu conheci, adorei e continuo fã. Quanto ao texto achei fantástico você ter conhecido seu marido e ter ficado com ele, através da net, geralmente dizem que é sempre uma desilusão mas consigo boneca deu certo. Quanto ao ter sido escolhida pela “cabeça” é lindo mas você é linda por fora também por isso imagino que seu marido não teve diculdade nenhuma em escolher.”Juntou-se o útil ao agradável”.
    Faço votos para que ambos tenham uma vida rica de bons acontecimentos e que Deus ilumine o vosso caminho.
    Agora um àparte de uma mulher um pouco mais velha, continuem a partilhar todos os momentos e não se esqueçam nunca de conversar seja conversa séria seja daquela que se costuma chamar de “deitar conversa fora”. Podem crer que é das coisas mais importantes para um casal.
    Muitas coisas boas para os dois
    Julia Albuquerque Vieira

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Júlia, muito obrigada pelo comentário tão gentil que você deixou e pelos votos de felicidade para mim e para marido. E, sim! Dá para sentir o quanto você gosta do Bicha Fêmea, o que me deixa muito feliz.
      Obrigada! 🙂

  35. Pingback: Há vida após o casamento? | Bicha Fêmea
  36. Trackback: Há vida após o casamento? | Bicha Fêmea
  37. Pingback: Casamento… para quê te quero?
  38. Trackback: Casamento… para quê te quero?
  39. Benaia comentou:

    É uma história linda, Lidi, sem dúvida!
    Lembro a gente conversando na cama de Márcia sobre isso. Você ainda não o tinha conhecido pessoalmente. e ficamos encantadas e curiosas com o desenrolar da história.
    Aqui está, o encontro das almas que tanto acreditamos. Existe!!! 😀

    1. Lidiane Vasconcelos comentou:

      Sim, Bena. Existe!
      Até me emocionei com teu comentário…rsrsrsrs…
      Beijos,
      Lidi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *